4-BIBLIOLOGIA

09/02/2013 15:16

I. INTRODUÇÃO

A) Terminologia:

Bíblia -
Derivado de biblion, “rolo” ou “livro” (Lc 4.17)
Escrituras - Termo usado no Novo Testamento (N.T.) para, os livros sagrados do A.T., que eram considerados inspirados por Deus (2Tm 3.16; Rm 3.2). Também é usado no N.T. com referência a outras porções do N.T. (2Pe 3.16)
Palavra de Deus - Usada em relação a ambos os testamentos em sua forma escrita (Mt 15.6; Jo 10.35; Hb 4.12)

B) Atitudes em Relação à Bíblia:

Racionalismo -
a. Em sua forma extrema nega a possibilidade de qualquer revelação sobrenatural.
b. Em sua forma moderada admite a possibilidade de revelação divina, mas essa revelação fica sujeita ao juízo final da razão humana.
Romanismo -
A Bíblia é um produto da igreja; por isso a Bíblia não é a autoridade única ou final.
Misticismo -
A experiência pessoal tem a mesma autoridade da Bíblia.
Neo-ortodoxia -
A Bíblia é uma testemunha falível da revelação de Deus na Palavra, Cristo.
Seitas -
A Bíblia e os escritos do líder ou fundador de cada uma possuem igual valor.
Ortodoxia -
A Bíblia é a nossa única base de autoridade.

C) As Maravilhas da Bíblia:

1) Sua formação: levou cerca de 1500 anos.
2) Sua Unidade: Tem cerca de 40 autores, mas é um só livro.
3) Sua Preservação.
4) Seu Assunto.
5) Sua Influência.

II. REVELAÇÃO

A) Definição:

“Um desvendamentos; especialmente a comunicação da mensagem divina ao homem”

B) Meios de Revelação:

1) Pela Natureza (Rm 1.18-21; Sl 19)
2) Pela Providência (Rm 8.28; At 14.15-17)
3) Pela Preservação do Universo (Cl 1.17)
4) Através de Milagres (Jo 2.11)
5) Por Comunicação Direta (At 22.17-21)
6) Através de Cristo (Jo 1.14)
7) Através da Bíblia (1Jo 5.9-12)

III. INSPIRAÇÃO

A) Definição:

Inspiração é a ação supervisionadora de Deus sobre os autores humanos da Bíblia de modo a, usando suas próprias personalidades e estilos, comporem e registrarem sem erro as palavras de Sua revelação ao homem. A Inspiração se aplica apenas aos manuscritos originais (chamados de autógrafos).

B) Teorias sobre a Inspiração:

1) Natural - não há qualquer elemento sobrenatural envolvido. A Bíblia foi escrita por homens de grande talento.
2) Mística ou Iluminativa - Os autores bíblicos foram cheios do Espírito como qualquer crente pode ser hoje.
3) Mecânica (ou teoria da ditação) - Os autores bíblicos foram apenas instrumentos passivos nas mãos de Deus como máquinas de escrever com as quais Ele teria escrito. Deve-se admitir que algumas partes da Bíblia foram ditadas (e.g., os Dez mandamentos).
4) Parcial - Somente o não conhecível foi inspirado (e.g., criação, conceitos espirituais)
5) Conceitual - Os conceitos, não as palavras, foram inspirados.
6) Gradual - Os autores bíblicos foram mais inspirados que outros autores humanos.
7) Neo-ortodoxa - Autores humanos só poderiam produzir uma registro falível.
8) Verbal e Plenária - Esta é a verdadeira doutrina e significa que cada palavra (verbal) e todas as palavras (plenária) foram inspiradas no sentido da definição acima.
9) Inspiração Falível - Uma teoria, que vem ganhando popularidade, de que a Bíblia é inspirada mas não isenta de erros.

C) Características da Inspiração Verbal e Plenária:

1) A verdadeira doutrina é válida apenas para os manuscritos originais.
2) Ela se estende às próprias palavras.
3) Vê Deus como o superintendente do processo, não ditando aos escritores, mas guiando-os.
4) Inclui a inerrância.

D) Provas da Inspiração Verbal e Plenária:

1) 2Tm 3.16. Theopneustos, soprado por Deus. Afirma que Deus é o autor das Escrituras e que estas são o produto de Seu sopro criador.
2) 2Pe 1.20,21. O “como” da inspiração - homens “movidos” (lit., “carregados”) pelo Espírito Santo.
3) Ordens especificas para escrever a Palavra do Senhor (Ex 17.14; Jr 30.2).
4) O uso de citações (Mt 15.4; At 28.25).
5) O uso que Jesus fez do Antigo Testamento (A.T.) (Mt 5.17; Jo 10.35).
6) O N.T. afirma que outras partes do N.T. são Escrituras (1Tm 5.18; 2Pe 3.16).
7) Os escritores estavam conscientes de estarem escrevendo a Palavra de Deus (1Co 2.13; 1Pe 1.11,12)

E) Provas de Inerrância:

1) A fidedignidade do caráter de Deus (Jo 17.3; Rm 3.4).
2) O ensino de Cristo (Mt 5.17; Jo 10.35).
3) Os argumentos baseados em uma palavra ou na forma de uma palavra (Gl 3.16, “descendente”; Mt 22.31,32, “sou”).

IV. CANONICIDADE.

A) Considerações fundamentais:

1) A Bíblia é auto-autenticável e os concílios eclesiásticos só reconheceram (não atribuíram) a autoridade inerente nos próprios livros.
2) Deus guiou os concílios de modo que o cânon fosse reconhecido.

B) Cânon do Antigo Testamento (A.T.):

1) Alguns afirmam que todos os livros do cânon do A.T. foram reunidos e reconhecidos sob a liderança de Esdras (quinto século a.C.).
2) O N.T. se refere a A.T. como escritura (Mt 23.35; a expressão de Jesus equivaleria dizer hoje “de Gênesis a Malaquias”; cf. Mt 21.42; 22.29).
3) O Sínodo de Jamnia (90 A.D.) Uma reunião de rabinos judeus que reconheceu os livros do A.T.

C) Os princípios de Canonicidade dos Livros do Novo Testamento (N.T.):
 
1) Apostolicidade. O livro foi escrito ou influenciado por algum apóstolos?
2) Conteúdo. O seu caráter espiritual é suficiente?
3) Universalidade. Foi amplamente aceito pela igreja?
4) Inspiração. O livro oferecia prova interna de inspiração?

D) A Formação do Cânon do Novo Testamento (N.T.):

1) O período dos apóstolos. Eles reivindicaram autoridade para seus escritos (1Ts 5.27; Cl 4.16).
2) O período pós-apostólico. Todos os livros forma reconhecidos exceto Hebreus, 2 Pedro e 3 João.
3) O Concílio de Cartago, 397, reconheceu como canônicos os 27 livros do N.T.

V. ILUMINAÇÃO

A) Em Relação aos Não-Salvos:


1) Sua necessidade (1Co 2.14; 2Co 4.4)
2) O ministério do convencimento do Espírito ( Jo 16.7-11)

B) Em Relação ao Crente:

1) Sua necessidade (1C0 2.10-12; 3.2).
2) O ministério do ensino do Espírito (Jo 16.13-15)

VI. INTERPRETAÇÃO

A) Princípios de Interpretação:


1) Interpretar histórica e gramaticalmente.
2) Interpretar de acordo com os contextos imediatos e mais amplo.
3) Interpretar em harmonia com toda a Bíblia, comparando Escritura com Escritura.

B) Divisões Gerais da Bíblia:

1) Antigo Testamento (A.T.):

A- Livros históricos: de Gênesis a Ester.
B- Livros poéticos: de Jó a Cantares.
C- Livros proféticos: de Isaías a Malaquias.

2) Novo Testamento (N.T.):

A- Evangelhos: Mateus a João.
B- História da Igreja: Atos.
C- Epístolas: de Romanos a Judas.
D- Profecia: Apocalipse.

C) Alianças Bíblicas:

Noética (Gn 8.20-22)
Abraâmica (Gn 12.1-3)
Mosaica (Ex 19.3 - 40.38)
Palestiniana (Dt 30)
Davídica (2Sm 7.5-17)
Nova Aliança (Jr 31.31-34; Mt 26.28)

BIBLIOLOGIA: A DOUTRINA DA BIBLIA

I. REVELAÇÃO: É a operação divina que comunica ao homem fatos que a razão humana é insuficiente para conhecer. É portanto, a operação divina que comunica a verdade de Deus ao homem (ICo.2:10).

A) Provas da Revelação: O diabo foi o primeiro ser a pôr em dúvida a existência da revelação: "É assim que Deus disse?" (Gn.3:1). Mas a Bíblia é a Palavra de Deus. Vejamos alguns argumentos:

1) A Indestrutibilidade da Bíblia: Uma porcentagem muito pequena de livros sobrevive além de um quarto de século, e uma porcentagem ainda menor dura um século, e uma porção quase insignificante dura mil anos. A Bíblia, porém, tem sobrevivido em circunstâncias adversas. Em 303 A.D. o imperador Dioclécio decretou que todos os exemplares da Bíblia fossem queimados. A Bíblia é hoje encontrada em mais de mil línguas e ainda é o livro mais lido do mundo.

2) A Natureza da Bíblia:

a) Ela é superior: Ela é superior a qualquer outro livro do mundo. O mundo, com sua sabedoria e vasto acúmulo de conhecimento nunca foi capaz de produzir um livro que chegue perto de se comparar a Bíblia.

b) É um livro honesto: Pois revela fatos sobre a corrupção humana, fatos que a natureza humana teria interesse em acobertar.

c) É um livro harmonioso: Pois embora tenha sido escrito por uns quarenta autores diferentes, por um período de 1.600 anos, ela revela ser um livro único que expressa um só sistema doutrinário e um só padrão moral, coerentes e sem contradições.

3) A Influência da Bíblia: O Alcorão, o Livro dos Mórmons, o Zenda Avesta, os Clássicos de Confúncio, todos tiveram influência no mundo. Estes, porém, conduziram a uma idéia apagada de Deus e do pecado, ao ponto de ignorá-los. A Bíblia, porém, tem produzido altos resultados em todas as esferas da vida: na arte, na arquitetura, na literatura, na música, na política, na ciência etc.

4) Argumento da Analogia: Os animais inferiores expressam com suas vozes seus diferentes sentimentos. Entre os racionais existe uma presença correspondente, existe comunicação direta de um para o outro, uma revelação de pensamentos e sentimentos. Conseqüentemente é de se esperar que exista, por analogia da natureza, uma revelação direta de Deus para com o homem. Sendo o homem criado à Sua imagem, é natural supor que o Criador sustente relação pessoal com Suas criaturas racionais.

5) Argumento da Experiência: O homem é incapaz por sua própria força descobrir que:

a) Precisa ser salvo.

b) Pode ser salvo.

c) Como pode ser salvo.

d) Se há salvação.

Somente a revelação pode desvendar estes mistérios eternos. A experiência do homem tem demonstrado que a tendência da natureza humana é degenerar-se e seu caminho ascendente se sustêm unicamente quando é voltado para cima em comunicação direta com a revelação de Deus.

6) Argumento da Profecia Cumprida: Muitas profecias a respeito de Cristo se cumpriram integralmente, sendo que a mais próxima do primeiro advento, foi pronunciada 165 anos antes de seu cumprimento. As profecias a respeito da dispersão de Israel também, se cumpriram (Dt.28; Jr.15:4;l6:13; Os.3:4 etc); da conquista de Samaria e preservação de Judá (Is.7:6-8; Os.1:6,7; IRs.14:15); do cativeiro babilônico sobre Judá e Jerusalém (Is.39:6; Jr.25:9-12); sobre a destruição final de Samaria (Mq.1:6-9); sobre a restauração de Jerusalém (Jr.29:10-14), etc.

7) Reivindicações da Própria Escritura: A própria Bíblia expressa sua infalibilidade, reivindicando autoridade. Nenhum outro livro ousa fazê-lo. Encontramos essa reivindicação na seguintes expressões: "Disse o Senhor a Moisés" (Ex.14:1,15,26;16:4;25:1; Lv.1:1;4:1;11:1; Nm.4:1;13:1; Dt.32:48) "O Senhor é quem fala" (Is.1:2); "Disse o Senhor a Isaías" (Is.7:3); "Assim diz o Senhor" (Is.43:1). Outras expressões semelhantes são encontradas: "Palavra que veio a Jeremias da parte do Senhor" (Jr.11:1); "Veio expressamente a Palavra do Senhor a Ezequiel" (Ez.1:3); "Palavra do Senhor que foi dirigida a Oséias" (Os.1:1); "Palavra do Senhor que foi dirigida a Joel" (Jl.1:1), etc. Expressões como estas são encontradas mais de 3.800 vezes no Velho Testamento. Portanto o A.T. afirma ser a revelação de Deus, e essa mesma reivindicação faz o Novo Testamento (ICo.14:37; ITs.2:13; IJo.5:10; IIPe.3:2).

B) Natureza da Revelação: Deus se revelou de sete modos:

1) Através da Natureza: (Sl.19:1-6; Rm.l:19-23).

2) Através da Providência: A providência é a execução do programa de Deus das dispensações em todos os seus detalhes (Gn.48:15;50:20; Rm.8:28; Sm.57:2; Jr.30:11; Is.54:17).

3) Através da Preservação: (Cl.1:17; Hb.1:3; At.17:25,28).

4) Através de Milagres: (Ex.4:1-9).

5) Através da Comunicação Direta: (Nm.12:8; Dt.34:10).

6) Através da Encarnação: (Hb.1:1; Jo.8:26;15:15).

7) Através das Escrituras: A Bíblia é a revelação escrita de Deus e, como tal, abrange importantes aspectos:

a) Ela é variada: Variada em seus temas, pois abrange aquilo que é doutrinário , devocional, histórico, profético e prático.

b) Ela é parcial: (Dt.29:29).

c) Ela é completa: Naquilo que já foi revelado (Cl.2:9,10);

d) Ela é progressiva: (Mc.4:28).

e) Ela é definitiva: (Jd.3).

II. INSPIRAÇÃO: É a operação divina que influenciou os escritores bíblicos, capacitando-os a receber a mensagem divina, e que os moveu a transcrevê-la com exatidão, impedindo-os de cometerem erros e omissões, de modo que ela recebeu autoridade divina e infalível, garantindo a exata transferência da verdade revelada de Deus para a linguagem humana inteligível (ICo.10:13; IITm.3:16; IIPe.1:20,21).

A) Autoria Dual: Com este termo indicamos dois fatos:

1) Autoria Divina: Do lado divino as Escrituras são a Palavra de Deus no sentido de que se originaram nEle e são a expressão de Sua mente. Em IITm.3:16 encontramos a referência a Deus: "Toda Escritura é divinamente inspirada" (theopneustos = soprada ou expirada por Deus) . A referência aqui é ao escrito.

2) Autoria Humana: Do lado humano certos homens foram escolhidos por Deus para a responsabilidade de receber a Palavra e passá-la para a forma escrita. Em IIPe.1:21 encontramos a referência aos homens: "Homens santos de Deus falaram movidos pelo Espírito Santo" (pherô = movidos ou conduzidos). A referência aqui é ao escritor.

B) Inspiração ou Expiração? A palavra inspiração vem do latim, e significa respirar para dentro. Ela é usada pela ARC. (Almeida Revista e Corrigida) somente duas vezes no N.T. (IITm.3:16; IIPe.1:21). Este vocábulo, embora consagrado pelo uso, e, portanto, pela teologia, não é um termo adequado, pois pode parecer que Deus tenha soprado alguma espécie de vida divina em palavras humanas. Em IITm.3:16 encontramos o vocábulo grego theopneustos que significa soprado por Deus. Portanto podemos afirmar que toda a Escritura é soprada ou expirada por Deus, e não inspirada como expressa a ARC. As Escrituras são o próprio sopro de Deus, é o próprio Deus falando (IISm.23:2). Em IIPe.1:21 este vocábulo se torna mais inadequado ainda, pois a tradução da ARC. transmite a idéia de que os homens santos foram inspirados pelo Espírito Santo. O fato é que o homem não é inspirado, mas a Palavra de Deus é que é expirada (Compare Jó.32:8; 33:4; com Ez.36:27; 37:9). A ARA. (Almeida Revista e Atualizada), porém, apesar de utilizar o termo inspiração em IITm.3:16, usa, com acerto, o verbo mover em IIPe.1:21, como tradução do vocábulo grego pherô, que significa exatamente mover ou conduzir.

Considerada esta ressalva, não devemos pender para o extremo, excluindo a autoria humana da compilação das Escrituras. Ela própria reconhece a autoria dual no registro bíblico. Em Mt.15:4 está escrito que Deus ordenou enquanto que em Mc.7:10 diz que foi Moisés quem ordenou. E muitas outras passagens há semelhantes a esta (Compare Sl.110:1 com Mc.12:36; Ex.3:6,15 com Mt.22:31; Lc.20:37 com Mc.12:26; Is.6:9,10; At.28:25 com Jo.12:39-41; Mt.1:22;2:15; At.l:16;4:25; Hb.3:7-11; Hb.9:8;10:15) Deus opera de modo misterioso usando e não anulando a vontade humana, sem que o homem perceba que está sendo divinamente conduzido, sendo que neste fenômeno, o homem faz pleno uso de sua liberdade (Pv.16:1;19:21; Sl.33:15;105:25; Ap.17:17). Desse mesmo modo Deus também usa Satanás (Compare ICr.21:1 com IISm.24:1; IRs.22:20-23), mas não retira a responsabilidade do homem (At.5:3,4), como também o faz na obra da salvação (Dt.30:19; Sl.65:4; Jo.6:44).

C) O Termo Logos: Este termo grego foi utilizado no N.T. cerca de 200 vezes para indicar a Palavra de Deus Escrita, e 7 vezes para indicar o Filho de Deus (Jo.1:1,14; IJo.1:1;5:7; Ap.19:13). Eles são para Deus o que a expressão é para o pensamento e o que a fala é para a razão, portanto o Logos de Deus é a expressão de Deus, quer seja na forma escrita ou viva (Compare Jo.14:6 com Jo.17:17).

1) Cristo é a Palavra Viva: Cristo é o Logos, isto é, a fala, a expressão de Deus.

2) A Bíblia é a Palavra Escrita: A Bíblia também é o Logos de Deus, e assim como em Cristo há dois elementos (duas naturezas), divino e humano, igualmente na Palavra de Deus estes dois elementos aparecem unidos sobrenaturalmente.

D) Provas da Inspiração: Somos acusados de provar a inspiração pela Bíblia e de provar a verdade da Bíblia pela inspiração, e, assim, de argumentar num círculo vicioso. Mas o processo parte de uma prova que todos aceitam: a evidência. Esta, primeiro prova a veracidade ou credibilidade da testemunha, e então aceita o seu testemunho. A veracidade das Escrituras é estabelecida de vários modos, e, tendo constatado a sua veracidade, ou a validade do seu testemunho, bem podemos aceitar o que elas dizem de si mesmas. As Escrituras afirmam que são inspiradas, e elas ou devem ser cridas neste particular ou rejeitadas em tudo mais.

1) O A.T. afirma sua Inspiração: (Dt.4:2,5; IISm.23:2; Is.1:10; Jr.1:2,9; Ez.3:1,4; Os.1:1; Jl.l:1; Am.1:3;3:1; Ob.1:1; Mq.1:1).

2) O N.T. afirma sua Inspiração: (Mt.10:19; Jo.14:26;15:26,27; Jo.16:13; At.2:33;15:28; ITs.1:5; ICo.2:13; IICo.13:3; IIPe.3:16; ITs.2:13; ICo.14:37).

3) O N.T. afirma a Inspiração do A.T.: (Lc.1:70; At.4:25; Hb.1:1, IItm.3:16; IPe.1:11; IIPe.1:21).

4) A Bíblia faz declarações científicas descobertas posteriormente: (Jó.26:7; Sl.135:7; Ec.1:7; Is.40:22).

E) Teorias da Inspiração: Podemos ter revelação sem inspiração (Ap.10:3,4), e podemos ter inspiração sem revelação, como quando os escritores registram o que viram com seus próprios olhos e descobriram pela pesquisa (IJo.1:1-4; Lc.1:1-4). Aqui nós temos a forma e o resultado da inspiração. A forma é o método que Deus empregou na inspiração, enquanto que o resultado indica a conseqüência da inspiração. Portanto, as chamadas teorias da intuição, da iluminação, a dinâmica e a do ditado, todas descrevem a forma de inspiração, enquanto que a teoria verbal plenária indica o resultado.

1) Teoria da Inspiração Dinâmica: Afirma que Deus forneceu a capacidade necessária para a confiável transmissão da verdade que os escritores das Escrituras receberam ordem de comunicar. Isto os tornou infalíveis em questões de fé e prática, mas não nas coisas que não são de natureza imediatamente religiosa, isto é, a inspiração atinge apenas os ensinamentos e preceitos doutrinários, as verdades desconhecidas dos autores humanos. Esta teoria tem muitas falhas: Ela não explica como os escritores bíblicos poderiam mesclar seus conhecimentos sobrenaturais ao registrarem uma sentença, e serem rebaixados a um nível inferior ao relatarem um fato de modo natural. Ela não fornece a psicologia daquele estado de espírito que deveria envolver os escritores bíblicos ao se pronunciarem infalivelmente sobre matérias de doutrina, enquanto se desviam a respeito dos fatos mais simples da história. Ela não analisa a relação existente entre as mentes divina e humana, que produz tais resultados. Ela não distingue entre coisas que são essenciais à fé e à pratica e àquelas que não são. Erasmo, Grotius, Baxter, Paley, Doellinger e Strong compartilham desta teoria.

2) Teoria do Ditado ou Mecânica: Afirma que os escritores bíblicos foram meros instrumentos (amanuenses), não seres cujas personalidades foram preservadas. Se Deus tivesse ditado as Escrituras, o seu estilo seria uniforme. Teria a dicção e o vocabulário do divino Autor, livre das idiossincrasias dos homens (Rm.9:1-3; IIPe.3:15,16). Na verdade o autor humano recebeu plena liberdade de ação para a sua autoria, escrevendo com seus próprios sentimentos, estilo e vocabulário, mas garantiu a exatidão da mensagem suprema com tanta perfeição como se ela tivesse sido ditada por Deus. Não há nenhuma insinuação de que Deus tenha ditado qualquer mensagem a um homem além daquela que Moisés transcreveu no monte santo, pois Deus usa e não anula as suas vontades. Esta teoria, portanto, enfatiza sobremaneira a autoria divina ao ponto de excluir a autoria humana.

3) Teoria da Inspiração Natural ou Intuição: Afirma que a inspiração é simplesmente um discernimento superior das verdades moral e religiosa por parte do homem natural. Assim como tem havido artistas, músicos e poetas excepcionais, que produziram obras de arte que nunca foram superadas, também em relação as Escrituras houve homens excepcionais com visão espiritual que, por causa de seus dons naturais, foram capazes de escrever as Escrituras. Esta é a noção mais baixa de inspiração, pois enfatiza a autoria humana a ponto de excluir a autoria divina. Esta teoria foi defendida pelos pelagianos e unitarianos.

4) Teoria da Inspiração Mística ou Iluminação: Afirma que inspiração é simplesmente uma intensificação e elevação das percepções religiosas do crente. Cada crente tem sua iluminação até certo ponto, mas alguns tem mais do que outros. Se esta teoria fosse verdadeira, qualquer cristão em qualquer tempo, através da energia divina especial, poderia escrever as Escrituras. Schleiermacher foi quem disseminou esta teoria. Para ele inspiração é "um despertamento e excitamento da consciência religiosa, diferente em grau e não em espécie da inspiração piedosa ou sentimentos intuitivos dos homens santos". Lutero, Neander, Tholuck, Cremer, F.W.Robertson, J.F.Clarke e G.T.Ladd defendiam esta teoria, segundo Strong.

5) Inspiração dos Conceitos e não das Palavras: Esta teoria pressupõe pensamentos à parte das palavras, através da qual Deus teria transmitido idéias mas deixou o autor humano livre para expressá-las em sua própria linguagem. Mas idéias não são transferíveis por nenhum outro modo além das palavras. Esta teoria ignora a importância das palavras em qualquer mensagem. Muitas passagens bíblicas dependem de uma das palavras usadas para a sua força e valor. O estudo exegético das Escrituras nas línguas originais é um estudo de palavras, para que o conceito possa ser alcançado através das palavras, e não para que palavras sem importância representem um conceito. A Bíblia sempre enfatiza suas palavras e não um simples conceito (ICo.2:13; Jo.6:63;17:8; Ex.20:1; Gl.3:16).

6) Graus de Inspiração: Afirma que há inspiração em três graus. Sugestão, direção, elevação, superintendência, orientação e revelação direta, são palavras usadas para classificar estes graus. Esta teoria alega que algumas partes da Bíblia são mais inspiradas do que outras. Embora ela reconheça as duas autorias, dá margem a especulação fantasiosa.

7) Inspiração Verbal Plenária: É o poder inexplicado do Espírito Santo agindo sobre os escritores das Sagradas Escrituras, para orientá-los (conduzi-los) na transcrição do registro bíblico, quer seja através de observações pessoais, fontes orais ou verbais, ou através de revelação divina direta, preservando-os de erros e omissões, abrangendo as palavras em gênero, número, tempo, modo e voz, preservando, desse modo, a inerrância das Escrituras, e dando à ela autoridade divina.

a) Observação Pessoal: (IJo.1:1-4).

b) Fonte Oral: (Lc.l:1-4).

c) Fonte Verbal: (At.17:18; Tt.1:12; Hb.1:1).

d) Revelação Divina Direta: ( Ap.1:1-ll; Gl.1:12).

e) Gênero: (Gn.3:15).

f) Número: (Gl.3:16).

g) Tempo: (Ef.4:30; Cl.3:13).

h) Modo: (Ef.4:30; Cl.3:13).

i) Voz: (Ef.5:18)

j) Explicação dos itens e,f,g,h,i: A inspiração verbal plenária fica assim estabelecida. Em Gn.3:15 o pronome hebraico está no gênero masculino, pois se refere exclusivamente a Cristo (Ele te ferirá a cabeça...). Em Gl.3:16 Paulo faz citação de um substantivo hebraico que está no singular, fazendo, também, referência exclusiva a Cristo. Em Ef.4:30 e Cl.3:13 o verbo perdoar encontra-se, no grego, no modo particípio e no tempo presente, o que significa que o perdão judicial de Deus realizado no passado, quando aceitamos a Cristo, estende-se por toda a nossa vida, abrangendo o perdão dos pecados do passado, do presente, e do futuro (IJo.1:9 trata do perdão do pecado doméstico e não do judicial). Jesus Cristo reconheceu a inspiração verbal plenária quando declarou que nem um til (a menor letra do alfabeto hebraico) seria omitido da lei(Mt.5:18 e Lc.16:l7).

C) O Termo Logos - Este termo grego foi utilizado no N.T. cerca de 200 vezes para indicar a Palavra de Deus Escrita, e 7 vezes para indicar o Filho de Deus (Jo.1:1,14; IJo.1:1;5:7; Ap.19:13). Eles são para Deus o que a expressão é para o pensamento e o que a fala é para a razão, portanto o Logos de Deus é a expressão de Deus, quer seja na forma escrita ou viva (Compare Jo.14:6 com Jo.17:17).

1) Cristo é a Palavra Viva: Cristo é o Logos, isto é, a fala, a expressão de Deus.

2) A Bíblia é a Palavra Escrita: A Bíblia também é o Logos de Deus, e assim como em Cristo há dois elementos (duas naturezas), divino e humano, igualmente na Palavra de Deus estes dois elementos aparecem unidos sobrenaturalmente.

III. ILUMINAÇÃO: É a influência ou ministério do Espírito Santo que capacita todos os que estão num relacionamento correto com Deus para entender as Escrituras (I Cor.2:12; Lc.24:32,45; IJo.2:27).

A iluminação não inclui a responsabilidade de acrescentar algo às Escrituras (revelação) e nem inclui uma transmissão infalível na linguagem (inspiração) daquele que o Espírito Santo ensina.

A iluminação é diferenciada da revelação e da inspiração no fato de ser prometida a todos os crentes, pois não depende de escolha soberana, mas de ajustamento pessoal ao Espírito Santo. Além disso a iluminação admite graus podendo aumentar ou diminuir (Ef.1:16-18; 4:23; Cl.1:9).

A iluminação não se limita a questões comuns, mas pode atingir as coisas profundas de Deus (ICo.2:10) porque o Mestre Divino está no coração do crente e, portanto, ele não houve uma voz falando de fora e em determinados momentos, mas a mente e o coração são sobrenaturalmente despertados de dentro (ICo.2:16). Este despertamento do Espírito pode ser prejudicado pelo pecado, pois é dito que o cristão que é espiritual discerne todas as coisas (ICo.2:15), ao passo que aquele que é carnal não pode receber as verdades mais profundas de Deus que são comparadas ao alimento sólido (ICo.2:15;3:1-3; Hb.5:12-14).

A iluminação, a inspiração e a revelação estão estritamente ligadas, porém podem ser independentes, pois há inspiração sem revelação (Lc.1:1-3; IJo.1:1-4); inspiração com revelação (Ap.1:1-11); inspiração sem iluminação (IPe.1:10-12); iluminação sem inspiração (Ef.1:18) e sem revelação (ICo.2:12; Jd.3); revelação sem iluminação (IPe.1:10-12) e sem inspiração (Ap.10:3,4; Ex.20:1-22). E’ digno de nota que encontramos estes três ministérios do Espírito Santo mencionados em uma só passagem (ICo.2:9-13); a revelação no versículo 10; a iluminação no versículo 12 e a inspiração no versículo 13.

IV. AUTORIDADE: Dizemos que a bíblia é um livro que tem autoridade porque ela tem influência, prestígio e credibilidade (quanto a pureza na transcrição ou tradução), por isso deve ser obedecida porque procede de fonte infalível e autorizada.

A autoridade está vinculada a inspiração, canonicidade e credibilidade, sem os quais a autoridade da Bíblia não se estabeleceria. Assim, por ser inspirado, determinado trecho bíblico possui autoridade; por ser canônico, determinado livro bíblico possui autoridade, e por ter credibilidade, determinadas informações bíblicas possuem autoridade, sejam históricas, geográficas ou científicas.

Entretanto, nem tudo aquilo que é inspirado é autorizado, pois a autoridade de um livro trata de sua procedência, de sua autoria, e, portanto, de sua veracidade. Deus é o Autor da Bíblia, e como tal ela possui autoridade, mas nem tudo que está registrado na Bíblia procedeu da boca de Deus. Por exemplo, o que Satanás disse para Eva foi registrado por inspiração, mas não é a verdade (Gn.3:4,5); o conselho que Pedro deu a Cristo (Mt.16:22); as acusações que Elifaz fez contra Jó (Jó.22:5-11), etc. Nenhuma dessas declarações representam o pensamento de Deus ou procedem dEle (procedem apenas por inspiração), e por isso não têm autoridade. Um texto também perde sua autoridade quando é retirado de seu contexto e lhe é atribuído um significado totalmente diferente daquele que tem quando inserido no contexto. As palavras ainda são inspiradas, mas o novo significado não tem autoridade.

VI. INERRÂNCIA OU INFALIBILIDADE: Inerrância significa que a verdade é transmitida em palavras que, entendidas no sentido em que foram empregadas, entendidas no sentido que realmente se destinavam a ter, não expressam erro algum.

A inspiração garante a inerrância da Bíblia. Inerrância não significa que os escritores não tinham faltas na vida, mas que foram preservados de erros os seus ensinos. Eles podem ter tido concepções errôneas acerca de muitas coisas, mas não as ensinaram; por exemplo, quanto à terra, às estrelas, às leis naturais, à geografia, à vida política e social etc.

Também não significa que não se possa interpretar erroneamente o texto ou que ele não possa ser mal compreendido.

A inerrância não nega a flexibilidade da linguagem como veículo de comunicação. É muitas vezes difícil transmitir com exatidão um pensamento por causa desta flexibilidade de linguagem ou por causa de possível variação no sentido das palavras.

A Bíblia vem de Deus. Será que Deus nos deu um livro de instrução religiosa repleto de erros? Se ele possui erros sob a forma de uma pretensa revelação, perpetua os erros e as trevas que professa remover. Pode-se admitir que um Deus Santo adicione a sanção do seu nome a algo que não seja a expressão exata da verdade?.

Diz-se que a Bíblia é parcialmente verdadeira e parcialmente falsa. Se é parcialmente falsa, como se explica que Deus tenha posto o seu selo sobre toda ela? Se ela é parcialmente verdadeira e parcialmente falsa, então a vida e a morte estão a depender de um processo de separação entre o certo e o errado, que o homem não pode realizar.

Cristo declara que a incredulidade é ofensa digna de castigo. Isto implica na veracidade daquilo que tem de ser crido, porque Deus não pode castigar o homem por descrer no que não é verdadeiro (Sl.119:140,142; Mt.5:18; Jo.10:35; Jo.17:17). Aqueles que negam a infalibilidade da Bíblia, geralmente estão prontos a confiar na falibilidade de suas próprias opiniões. Como exemplo de opinião falível encontramos aqueles que atribuem erro à passagem de IRs.7:23 onde lemos que o mar de fundição tinha dez côvados de diâmetro de uma borda até a outra, ao passo que um cordão de trinta côvados o cingia em redor. Sendo assim, tem-se dito que a Bíblia faz o valor do Pi ser 3 em vez de 3,1416. Mas uma vez que não sabemos se a linha em redor era na extremidade da borda ou debaixo da mesma, como parece sugerir o versículo seguinte (v.24) não podemos chegar a uma conclusão definitiva, e devemos ser cautelosos ao atribuir erro ao escritor.

Outro exemplo utilizado para contrariar a inerrância da Bíblia, encontra-se em ICo.10:8 onde lemos que 23.000 homens morreram no deserto, enquanto que Nm.25:9 diz que morreram 24.000. Acontece que em Números nós temos o número total dos mortos, ao passo que em I aos Coríntios nós temos o número parcial que somado ao restante dos homens relacionados nos versículos 9 e 10, deverá contabilizar o total de 24.000.

A inerrância não abrange as cópias dos manuscritos, mas atinge somente os autógrafos, isto é, os originais. Desse modo encontramos os seguintes tipos de erros nos manuscritos:

A) Erros Involuntários: Cometidos pelos escribas do N.T. devido a sua falta ou defeito de visão, defeitos de audição ou falhas mentais.

1) Falhas de Visão: Em Rm.6:5 muitos manuscritos (MSS) tem ama (juntos), mas há alguns que trazem alla (porém). Os dois lambdas juntos deram ao copista a idéia de um mi. Em At.15:40 onde há eplexamenoc (tendo escolhido) aparece no Códice Beza epdexamenoc (tendo recebido) onde o lambda maiúsculo é confundido com um delta maiúsculo.

Há também confusão de sílabas, como é o caso de ITm.3:16 onde o manuscrito D traz homologoumen ôs (nós confessamos que) em vez de homologoumenôs (sem dúvida).

O erro visual chamado parablopse (um olhar ao lado) é facilitado pelo homoioteleuton, que é o final igual de duas linhas, levando o escriba a saltar uma delas, ou pelo homoioarchon, que são duas linhas com o mesmo início.

O Códice Vaticano, em Jo.17:15, não contém as palavras entre parênteses: "Não rogo que os tires do (mundo, mas que os guardes do) maligno". Consultando o N.T. grego veremos que as duas linhas terminavam de maneira idêntica, em autos ek tou, no manuscrito que o escriba de B copiava.

Lc.18:39 não aparece nos manuscritos 33, 57, 103 e b, devido a um final de frase igual na sentença anterior no manuscrito do qual eles se derivam.

O Códice Laudiano tem um exemplo no versículo 4 do Capítulo 2 do livro de Atos: "Et repleti sunt et repleti sunt omnes spiritu sancto", sendo este em caso de adição, chamado ditografia, que é a repetição de uma letra, sílaba ou palavras.

2) Falhas de Audição: Era costume muitos escribas se reunirem numa sala enquanto um leitor lhes ditava o texto sagrado. Desse modo o ouvido traía o escriba até mesmo quando o copista solitário ditava a si próprio. Em Rm.5:1 encontramos um destes casos, onde as variantes echômen e echomen foram confundidas. IPe.2:3 também apresenta um caso semelhante com as variantes cristos (Cristo) e crestos (gentil), esta última encontrada nos manuscritos K e L.

No grego coinê as vogais e ditongos pronunciavam-se de modo igual dentro das respectivas classes. É o caso de ICo.15:54 onde o termo nikos (vitória), foi confundido por neikos (conflito), sendo que aparece em P46 e B como "tragada foi a morte no conflito".

Em Ap.15:6 onde se lê "vestidos de linho puro" a palavra grega linon é substituída por lithon nos manuscritos A e C "vestidos de pedra pura". Desse modo uma só letra que o ouvido menos apurado não entendeu direito e que produziu completa mudança de sentido, torna-se erro grosseiro e hilariante.

3) Falhas da Mente: Quando a mente do escriba o traía, chegava a cometer erros que variavam desde a substituição de sinônimos, como o caso da preposição ek por apo, até a transposição de letras dentro de uma palavra, como o caso de Jo.5:39, onde Jesus disse "porque elas dão testemunho de mim" (ai marturousai) e o escriba do manuscrito D escreveu "porque elas pecam a respeito de mim" (hamartanousai).

B) Erros Intencionais: Erros que não se originaram de negligência ou distração dos escribas, mas antes de suspeita de alteração, principalmente doutrinária.

1) Harmonização: Ao copiar os sinópticos, o escriba era levado a harmonizar passagens paralelas. E’ o caso de Mt.12:13 onde se lê "...estende a tua mão. E ele estendeu; e ela foi restaurada como a outra". Em alguns manuscritos de Marcos o texto pára em "restaurada", sendo que em outros o escriba acrescentou as palavras "como a outra" para harmonizá-lo com Mateus.

Outro tipo de harmonização ocorre quando os escribas faziam o texto do N.T. conformar-se com o A.T. Por exemplo, em Mc.1:1 os escribas do W e Bizantinos mudaram "no profeta Isaias" para "nos profetas" porque verificaram que a citação não é só de Isaias.

2) Correções Doutrinárias: Certo escriba, copiando Mt.24:36 omitiu as palavras "nem o Filho", pois o escriba sabia que Jesus era onisciente, e deduziu que alguém havia cometido erro (Alefe, W, Bizantino).

Os manuscritos da Velha Latina e da Versão Gótica apresentam como acréscimo, em Lc.1:3, a frase "e ao Espírito Santo" como "empréstimo" de At.15:28.

3) Correções Exegéticas: Passagens de difícil interpretação eram alvo dos escribas que tentavam completar o seu sentido através de interpolação e supressões.

Um caso de interpolação encontra-se em Mt.26:15 onde as palavras "trinta moedas de prata" foram alteradas para "trinta estateres" nos MSS D, a e b, afim de definir o tipo de moeda mencionada. Mais tarde outros escribas (dos manuscritos 1, 209 e h) que conheciam os dois textos, juntaram-no produzindo a frase "trinta estateres de prata".

4) Acréscimos Naturais ou de Notas Marginais: Determinado leitor do Códice 1518 anotou nas margens de Tg.1:5 a expressão êgeumatikês kai ouk anthrôpines (espiritual e não humana). Quando este Códice foi copiado, o escriba do manuscritos 603 incluiu esta expressão no texto: "Se alguém de vós tem falta de sabedoria espiritual e não humana, peça-a a Deus...".

XI. INTERPRETAÇÃO: É a elucidação ou explicação do sentido das palavras ou frases de um texto, para torná-los compreensivos.

A ciência da interpretação é designada hermenêutica, e, em razão de sua abrangência, requer um estudo especial separado da Bibliologia.

 

INTRODUÇÃO 

A disciplina Bibliologia - Estudo sobre a Palavra de Deus, é também conhecida como Isagoge (termo grego que significa conduzir para dentro), e tem como objetivo introduzir o estudante nos mistérios revelados pelo Senhor Deus através das Sagradas Escrituras. Dessa forma, Bibliologia é o estudo dos assuntos inerentes à Bíblia. Essa matéria auxilia o estudante a desvendar a Palavra de Deus, a obter compreensão sobre a Bíblia e, é indispensável a qualquer área da Teologia, elucidando inumeráveis fatos bíblicos. Um dos pontos mais importantes da Bibliologia é o estudo do milagre bíblico, ou seja, a forma impressionante com que os textos foram escritos, preservados e trazidos até os tempos atuais.

Nas lições deste módulo estudaremos sobre como a Bíblia é rica em detalhes referentes aos fatos que nos revela. A compreensão da riqueza dos fatos registrados na Bíblia ajuda o estudante a compreender melhor a vontade de Deus revelada em sua Palavra. Esperamos que a partir desse estudo, você possa ser beneficiado com o crescimento espiritual e sinta-se mais ansioso para permanecer saciando sua sede na infindável fonte que é a Bíblia Sagrada.

Para melhor compreensão da Bíblia providencie um bom dicionário secular, um dicionário bíblico, uma chave (ou referência) bíblica, um livro de geografia bíblica e uma enciclopédia bíblica. A maioria das Bíblias de Estudo vêm equipadas com chave e dicionário bíblico, além de notas de rodapé e mapas que auxiliam no estudo do texto sagrado. Além dos auxílios acima citados, a Bíblia é o livro que deve ser lido com reverência, em oração, para que o Espírito Santo, que é seu maior intérprete, possa atuar sobre cada um, nos dando a exata dimensão da vontade de Deus.

1 - A IMPORTÂNCIA DAS ESCRITURAS

A Bíblia é o único livro na história da humanidade que revela a Deus, ou ainda, que é a palavra do próprio Deus. Todas as demais obras não conseguem provar por si próprio que tem como autor o Senhor de todo o Universo. Somente a Bíblia conta a maior história de amor, jamais revelada de outra forma, a não ser a do Senhor Jesus Cristo, para salvação da humanidade. Somente a mensagem da Bíblia é capaz, na direção do Espírito Santo, conduzir o homem em todas as áreas de sua vida: “Bem-aventurado o varão que não anda segundo o conselho dos ímpios ... antes tem o seu prazer na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite.” (Sl 1.1,2).

1.1 A NECESSIDADE DAS ESCRITURAS

A revelação de Deus ao homem através dos tempos tem sido por meio das obras que Ele criou (Rm 1.20, Sl 19.1-6). Além das obras, a maior fonte de revelação de Deus está em sua Palavra, a Bíblia Sagrada. Costuma-se dizer que essa revelação é dupla, sendo a Bíblia a palavra escrita e Cristo a palavra viva. Essa dupla revelação tornou-se necessária devido a queda do homem. Ao estudarmos a Bíblia devemos considerar as seguintes afirmações: a) A Palavra de Deus é o único manual do crente - Os manuais existem para orientar as pessoas sobre os procedimentos corretos em determinadas ocasiões. Dessa forma, a Bíblia nos ensina a servir ao Senhor, a empregar bem as orientações deixadas por Deus para uma vida feliz e para a correta realização de Sua obra. É também a Bíblia que nos mostra o caminho da salvação, da santificação e da vida eterna. A eficiência no uso da palavra vem do exercício constante, da prática (1 Pe 2.9, 3.15; Ef 2.10; 2 Tm 2.15; Is 34.16; 55.11; Sl 119.130).

b) A Palavra de Deus alimenta nossa almas - O estudo da Palavra é uma nutrição perfeita para nosso crescimento espiritual. Todo alimento só nutre o corpo se for absorvido pelo organismo e se for ingerido com regularidade. Quem não tem apetite pela Palavra de Deus não tem também saúde espiritual (Mt 4.4; Jr 15.16; 1 Pe 2.2).

c) A Palavra de Deus é um instrumento do Espírito Santo (Ef 6.17) - O Espírito Santo tem mais instrumentos para operar onde há abundância da Palavra de Deus. Quando estamos imersos na Palavra, o Espírito atua mais livremente em nossa vida (Sl 1.2; Js 1.8).

d) A Palavra de Deus nos enriquece espiritualmente - Por não conhecer adequadamente a Palavra de Deus, muitos crentes se tornam fanáticos. Em vez de deixarem o Espírito Santo usá-los, querem usar o Espírito Santo para fazer suas vontades. Por outro lado, há os que conhecem a Palavra mas a falta de correta e pronta orientação espiritual, principalmente aos novos convertidos, pode resultar em vidas desequilibradas e doentias pelo resto da existência. São pessoas que ferem a si mesmas e as outras pessoas com as quais convivem, por não compreenderem as riquezas da liberdade conquistada por Cristo (Sl 119.72; Ef 1.17; 1 Co 2.10).

e) A Palavra de Deus renova a fé do cristão - Para termos nossas orações respondidas por Deus, precisamos apoiar nossa fé nas promessas contidas em sua Palavra. Por outro lado, a Palavra de Deus desperta fé em nós. Precisamos pedir conforme a vontade de Deus. E uma forma de conhecer a vontade de Deus é por meio de sua Palavra (Jo 15.7; Rm 10.17; Jo 5.14).

A Bíblia é a revelação de Deus à humanidade. Tudo que precisamos Deus nos revelou por meio de sua Palavra. Somente precisamos nos apropriar dessas revelações e pela fé concretizá-las em nossa vida. O autor da Bíblia é Deus, seu intérprete é o Espirito Santo e seu tema central é o Senhor Jesus Cristo.

1.2 COMO DEVEMOS ESTUDAR A BÍBLIA

Para tirar o máximo aproveitamento da Bíblia, devemos estudá-la: a) Conhecendo o seu autor - A Bíblia é o único livro cujo autor está presente quando alguém o está lendo. Ninguém explica melhor um livro do que seu próprio autor. Conhecendo e amando o autor da Bíblia, fica mais fácil compreender Sua vontade.

b) Diariamente - Como alimento espiritual, a Bíblia só surte efeito se for degustada diariamente, como nossas principais refeições. Caso isso não aconteça, o crente será alvo da destruição espiritual (Dt 17.19; Jo 16.12; Hb 5.12; Mc 4.33).

c) Com reverência - A maneira como lemos a Bíblia é importante para determinar o aproveitamento dessa leitura. É importante observar o seguinte: (I) Estudar a Bíblia como a Palavra de Deus, e não como um livro qualquer; (II) Estudar a Bíblia em atitude de oração, com o coração voltado para Deus; (III) Estudar em atitude de humildade (Tg 1.21); (IV) Estudar crendo em seu ensino (Lc 24.25).

d) Com oração - A melhor leitura bíblica é aquela feita vagarosamente, com meditação, a exemplo dos servos de Deus no passado (Sl 119.12,18; Dn 9.21-23; Sl 73.16-17). A meditação aprofunda a compreensão.

e) Completamente - Existem textos bíblicos que não recebem a devida atenção dos seus leitores. Ler a Bíblia toda, em atitude de oração e meditação, ajuda a compreender melhor Sua mensagem. Sendo a Palavra de Deus, a Bíblia é infinita em sua mensagem, mas nem por isso devemos desistir de estar sempre buscando mais. O Espírito Santo nos ajuda nessa caminhada de compreensão da vontade de Deus (Rm 11.33,34; 1 Co 13.12; Dt 29.29).

1.3 O TEMA CENTRAL DA BÍBLIA

A REDENÇÃO é o tema central da Bíblia com o personagem princicipal sendo JESUS, conforme Ele mesmo declara em Lc 24.44 e Jo 5.39. Leia também At 3.18; 10.43 e Ap 22.16. Considerando a redenção como tema central da biblia e Jesus o personagem principal da Bíblia, podemos dividir os 66 livros em quatro grandes grupos: a) Preparação: todo o Antigo Testamento. b) Manifestação: os Evangelhos. c) Explanação: são as Epístolas. d) Consumação: o livro de Apocalipse.

2 - BÍBLIA - O LIVRO

Não encontramos o vocábulo “Bíblia” no texto das Sagradas Escrituras. Esse nome provém do grego, tendo como origem o termo “papiro”. A forma de escrita mais disseminada na Antigüidade era com o uso do papiro. Por sua vez, os gregos chamavam o papiro de biblos, um rolo de papiro era um bíblion e vários destes era uma “bíblia” ou livro. A palavra “bíblia” significa, assim, “livros pequenos” ou “coleção de livros pequenos”. Grande parte dos escritos sagrados nas sinagogas era escrita em papiro (Lc 4.17).

O papiro foi um dos principais materiais usados para escrever os manuscritos bíblicos. O centro da indústria do papiro era o Egito, onde teve início a sua utilização. Antes do surgimento dos equipamentos gráficos os livros eram escritos a mão, em forma de rolos, em materiais como o papiro ou pergaminho. O papiro era uma planta que crescia junto aos rios. A entrecasca, depois beneficiada, formava rolos de grande extensão, permitindo a escrita. A Bíblia menciona o papiro diversas vezes: Ex 2.3; Jó 8.11; Is 18.2. Em algumas passagens, a Bíblia menciona junco, no lugar do papiro. Na verdade, o papiro era extraído de uma espécie de junco gigante. A palavra papel também é derivada de papiro. O uso desse material data do ano 3 mil antes de Cristo.

O pergaminho foi o outro material usado para escrever os manuscritos bíblicos. Esse nome está relacionado com Pérgamo, cidade que ficou famosa pela fabricação de pergaminhos, cuja matéria-prima era de peles de animais, sendo material bem mais durável e resistente que o papiro para a escrita (2 Tm 4.13). O pergaminho é um material de uso mais recente, aplicado a partir do Novo Testamento.

Mais recentemente, no final da Idade Média, foi inventada a imprensa. O primeiro livro impresso foi a Bíblia, em 1452, em alemão. A partir de então, a difusão dos ensinos bíblicos tornou-se mais rápida e eficiente. Hoje a Bíblia é divulgada de diversas formas, inclusive por meio de gravação (áudio), vídeos, programas de computador, Internet e outros meios.

Os estudiosos no assunto afirmam que a expressão Bíblia foi primeiramente adotada por João Crisóstomo, patriarca de Constantinopla, no V século de nossa era.

Alguns outros nomes pelos quais a Bíblia é conhecida: Escrituras (Mt 21.42); Sagradas Escrituras (Rm 1.2); Livro do Senhor (Is 34.16); A Palavra de Deus (Mc 7.13; Hb 4.12); Os oráculos de Deus (Rm 3.2).

A arqueologia moderna tem sido a maior fonte científica que comprova a infalibilidade do Livro Sagrado. A história da Bíblia, como chegou até nós, é encontrada em seus manuscritos. Manuscritos são livros da antiga literatura, escrito à mão.

2.1 A ESTRUTURA DA BÍBLIA

A Bíblia divide-se em duas partes principais: o Antigo e o Novo Testamento, tendo ao todo 66 livros, 39 no Antigo Testamento e 27 no Novo. Esses livros foram escritos no período de 16 séculos e tiveram cerca de 40 escritores. Foram pessoas de diversas épocas, diversas línguas, profissões diferentes, mas revelando uma mesma mensagem: aquela que o Supremo Autor desejou passar. Aqui está o grande milagre da Bíblia.

Testamento vem do grego “diatheke” e significa aliança ou concerto. Hoje, testamento é um documento que contém a vontade de uma pessoa quanto a distribuição de seus bens após a morte. Essa duplicidade de sentido ensina que a morte do testador (Cristo) ratificou ou selou a Nova Aliança, o que nos garante toda a sua herança (Hb 9.15-17). O termo Antigo Testamento foi usado pela primeira vez por Tertuliano e Orígenes.

2.1.1 O Antigo Testamento (AT)

A expressão "Antigo Testamento" surgiu no II século d.C., tendo sido divulgada dessa forma pelos chamados "pais latinos da Igreja", quando procuravam diferenciar as Escrituras hebraicas (os textos sagrados dos judeus, que até aquela época eram denominadas simplesmente de "Escrituras"), dos escritos que os apóstolos e discípulos de Jesus passaram a escrever, que foram denominados de as "Escrituras gregas".

Por sua vez, os judeus não denominam suas Escrituras de "Antigo Testamento", até mesmo porque se assim o fizessem, estariam reconhecendo a Jesus como o Cristo. Eles chamam o Antigo Testamento de 'TANACH", palavra formada das iniciais de Torah (Lei), Neviim (Profetas) e CHetuvim (Escritos), que é o conjunto dos escritos sagrados. Esta forma de denominar o Antigo Testamento foi utilizada por Jesus (Lc 24.44).

A expressão AT tem sua origem na carta aos Hebreus (Hb 8.6-13) que, por sua vez, toma como base o profeta Jeremias (Jr 31.31-34). O texto de Jeremias, na versão grega da Septuaginta, usa a palavra grega "diatheke", que significa pacto ou testamento, tendo sido escolhida a expressão "testamento", já que na carta aos Hebreus estes pactos somente tiveram valor em virtude de derramamento de sangue (Hb 9.1-8,16,17).

O Antigo Testamento foi produzido num ambiente histórico e cultural do Egito, da Mesopotâmia e nas nações historicamente relacionadas com essas terras, e escrito originalmente em hebraico, com alguns trechos em aramaico e em persa. Divide-se basicamente em quatro grupos de livros: Lei, História, Poesia e Profecia.

a) Lei - São 5 livros: Gênesis, Êxodo, Levíticos, Números e Deuteronômio. Mais conhecidos como Pentateuco, esses livros tratam da origem de todas as coisas, da lei e do estabelecimento da nação israelita.

b) História - São 12 livros: de Josué a Ester. Ocupam-se da história de Israel em seus diversos períodos, principalmente a Teocracia (governo de Deus, sob os Juízes); a Monarquia (governo de um único rei, sob Saul, Davi e Salomão); Divisão do reinos de Judá e Israel, sendo Israel levado cativo para a Assíria e Judá para a Babilônia; Pós-cativeiro (sob Zorobabel, Esdras e Neemias, em conjunto com os profetas).

c) Poesia - São cinco livros, de Jó a Cantares de Salomão. O nome poético deve-se ao gênero de seu conteúdo, não significa que sejam fantasiosos e fictícios. São também chamados de devocionais ou “literatura de Sabedoria”.

d) Profecia - São 17 livros, de Isaías a Malaquias. Podem ser divididos em Profetas Maiores (cinco livros, de Isaías a Daniel), sendo quatro autores, visto que o livro de Lamentações se atribui a Jeremias e, Profetas Menores (12 livros, de Oséias a Malaquias). O nome Profeta Maiores ou Menores não tem nada a ver com o mérito ou notoriedade do profeta, mas, principalmente, com a extensão do livro ou do ministério profético.

A classificação dos livros bíblicos não obedecem ordem cronológica, pois estão agrupados por assuntos. A forma como estão dispostos teve origem na Septuaginta, através da Vulgata.

De acordo com os renomados mestres nesta área, a ordem cronológica do AT é a seguinte:

Jó            1521 a.C.                 Amós            780 a.C.       

Gênesis      1521-1500 a.C.             Oséias          760 a.C.

Êxodo         1490 a.C.                 Isaías          745 a.C.       

Levítico     1489 a.C.                  Miquéias        740 a.C.       

Números      1451 a.C.                  Sofonias        639 a.C.       

Deuteron.    1451 a.C.                  Naum            630 a.C.       

Josué         1424 a.C.                 Jeremias        626 a.C.       

Juízes        1126 a.C.                 Lamentações     626 a.C.       

Rute          1050 a.C.                 Habacuque       606 a.C.       

1 Samuel     1050 a.C.                  Daniel          606 a.C.       

2 Samuel     1018 a.C.                  Ezequiel        592 a.C.       

1 e 2 Reis   1015 a.C.                  Obadias         586 a.C.       

Salmos        1050-975 a.C.             Ageu            520 a.C.       

Cantares     1013 a.C.                  Zacarias        520 a.C.       

1 e 2 Crôn.  1004 a.C.                  Ester           509 a.C.       

Provérbios   1000 a.C.                  Esdras          457 a.C.        

Eclesiastes  975 a.C.                   Neemias         434 a.C.       

Joel         840 a.C.                   Malaquias       432 a.C.       

Jonas         790 a.C.

2.1.2 O Novo Testamento (NT)

Logo depois da ressurreição de Cristo, aqueles que foram testemunhas oculares de sua glória saíram pregando o Evangelho, a todos os lugares. Isso era feito verbalmente. Com o passar dos anos, surgiu a necessidade de registrar aquilo que ensinavam. Foi aí que os livros do Novo Testamento começaram a ser escritos. É bom lembrar que, enquanto o Antigo Testamento levou cerca de 1046 anos para ser escrito, o Novo Testamento o foi em menos de 100 anos.

O Novo Testamento tem 27 livros. Foi escrito em grego popular, conhecido como Koiné. Os livros são classificados em quatro grupos, conforme o assunto, ou seja: Biografia, História, Epístolas e Profecia.

a) Biografia - São os quatro Evangelhos. Descrevem a vida terrena de Jesus e seu ministério. Os três primeiros Evangelhos são chamados de Sinópticos devido ao paralelismo existente entre eles. Os Evangelhos são os livros mais importantes da Bíblia. Os demais livros são uma preparação para a vinda de Cristo ou uma explicação sobre a doutrina de Cristo.

b) História - É o livro de Atos dos Apóstolos. Registra a história da Igreja primitiva.

c) Epístolas - São 21 cartas, e vão de Romanos a Judas. Elas contém a doutrina da Igreja. Podem ser divididas da seguinte forma: (I) Nove são dirigidas a igrejas (de Romanos a 2 Tessalonicenses); (II) Quatro são dirigidas a indivíduos (duas a Timóteo, uma a Tito e outra a Filemon); (III) Uma é dirigida aos hebreus cristãos; (IV) Sete são dirigidas a todos indistintamente (Tiago, 1 e 2 Pedro, 1, 2 e 3 João e Judas). Estas são também chamadas universais, ou gerais, mesmo duas delas serem dirigidas a pessoas (2 e 3 João). d) Profecia - Trata-se do livro de Apocalipse ou Revelação. Esse Livro aborda os eventos finais referentes ao universo, a terra, a igreja e ao destino da humanidade.

No entender cronológico, a ordem dos livros do NT seria:

1 Tessalon.    51 d.C.          Atos dos Apóstolos 64 d.C.

2 Tessalon.    52 d.C.          1 Timóteo               64 d.C.

1 Coríntios    56 d.C.          1 Pedro                 64 d.C.

2 Coríntios    57 d.C.          Tito                    65 d.C.

Gálatas        57 d.C.          Mateus                  65 d.C.

Romanos        58 d.C.          2 Pedro                 64/65d.C.

Marcos         59/60 d.C.       2 Timóteo               67 d.C.

Efésios        61 d.C.          Judas                   70 d.C.

Tiago          61 d.C.          João (Ev)               85 d.C.

Filipenses     62 d.C.          1 João                  90 d.C.

Colossen.      62 d.C.          2 João                  90 d.C.

Filemom        62 d.C.          3 João                  90 d.C.

Lucas          63 d.C.          Apocalipse              96 d.C.

Hebreus        63 d.C.

2.2 - AS ÉPOCAS BÍBLICAS

Os livros, na Bíblia, não seguem uma ordem cronológica, pois são agrupados conforme o assunto que abordam. Devido a isso, algumas pessoas podem se confundir com a seqüência da leitura do texto bíblico.

Para facilitar, estaremos apresentando em síntese a cronologia do texto bíblico, ou seja, a seqüência histórica em que os fatos bíblicos aconteceram. Não pretendemos aprofundar aqui o estudo da cronologia bíblica, mas apenas apresentar uma idéia de como os fatos aconteceram. Na seqüência, os livros serão apresentados na ordem cronológica, até onde se conhece na atualidade.

2.2.1 Época Abraâmica

Trata-se do primeiro período de narrativa bíblica, estando dividido em duas partes: o Período Antediluviano e do Dilúvio a Abraão. a) Período Antediluviano: período de Adão ao Dilúvio. Contém o relato da origem de todas as coisas, terminando no capítulo seis de Gênesis.

Esse período registra fatos ocorridos nas imediações do Jardim do Éden, no vale do Rio Eufrates. Por lá estiveram também Abraão e Noé. Para conhecer bem as civilizações primitivas que viveram naquela região recomenda-se o estudo do capítulo 10 de Gênesis. As cidades mencionadas neste capítulo eram cidades-reinos, com governo próprio. Destaca-se nesse período a presença de homens de Deus como Abel, Sete, Noé e Enoque.

A vida extraordinariamente longa desses homens se explica principalmente pelos seguintes motivos: a) as conseqüências do pecado ainda eram pequenas sobre o homem; b) a maldição devido a queda do homem estava apenas começando; c) as condições climáticas eram outras; d) a capacidade da terra de produzir alimentos era bem melhor; e) a longevidade era necessária ao povoamento da terra; f) temos que considerar a misericórdia de Deus para com uma raça humana ainda ineficiente.

b) Do dilúvio a Abraão - após o dilúvio (Gn 6 a 11), muitas cidades antigas foram reconstruídas. A arca de Noé repousou em um dos montes da cordilheira de Ararate, perto das cabeceiras do Eufrates, mas Noé retornou a sua terra primitiva - Sinar, mais tarde chamada de Babilônia (Gn 11.2). Cerca de 100 anos após o Dilúvio, aconteceu a dispersão das raças por causa da confusão das línguas na Torre de Babel (Gn 11).

Em Gênesis 10 podemos ver uma descrição detalhada de como estavam distribuídas as nações após o Dilúvio. A família de Abraão vivia na cidade de Ur, que na época era capital da Suméria. Abraão foi fiel a Deus em um ambiente influenciado pela idolatria. Alguns teólogos afirmam que Sem foi contemporâneo de Abraão durante 150 anos, e pode ter transmitido a ele os ensinamentos divinos.

2.2.2 A Época de Israel

Trata-se do período histórico de Israel, um dos centros da narrativa bíblica, pois foi de Israel que nasceu Cristo, tema central da Bíblia.

a) Período Patriarcal: esse período vai de Abraão a José, de Canaã ao Egito. É com Abraão que começa a história de Israel como povo eleito. É ele o pai da raça hebréia (Sl 105.6; Jo 8.56). Abraão vivia em Ur, onde recebeu o chamado de Deus para fundar uma nação escolhida. Com isso, ele segue para Canaã, parando em Harã. Abraão era homem de grandes posses, bem relacionado com os reis e pessoas influentes da época.

Quando Abraão chegou a Canaã, a terra era habitada por nações excessivamente ímpias. A terra precisava ser conquistada. Deus revela seus planos a Abraão, mostrando que toda aquela terra seria de sua descendência. O cumprimento da promessa aconteceu muitos anos mais tarde.

b) Israel no Egito: esse período vai da morte de José ao Êxodo, abrangendo a escravidão de Israel no Egito. O período começa com a ida de Israel para o Egito, relatada nos primeiros 12 capítulos de Êxodo, por ocasião da fome em toda a terra. Após a morte de José, Israel teve cerca de 60 anos de paz, antes de começar a escravidão. Depois de muito sofrimento, no tempo oportuno, Deus levantou Moisés para retirar seu povo do Egito.

c) Israel no Deserto: trata-se de um período de 40 anos, tempo que Israel gastou desde a saída do Egito até a entrada em Canaã. A viagem poderia ter sido feita em bem menos tempo, mas o povo foi rebelde. Deus precisava prepará-lo melhor para a nova vida, na Terra Prometida.

Durante a viagem, a nação de Israel foi fundada, as leis foram criadas e os mandamentos divinos foram revelados. O povo, que antes era escravo do Egito, aprendeu a conviver com a presença de Deus. Todas as ordenanças do deserto apontavam para Cristo como a perfeita expiação do pecado. Destacam-se como líderes nesse período Moisés e Josué (civis) e Arão e Eleazar (religiosos). Moisés não pisou em Canaã, mas antes de morrer avistou a terra e a dividiu entre as tribos de Israel.

d) A Conquista de Canaã: esta fase da História de Israel está descrita no livro de Josué. Sob o comando de Josué, Israel cruza o rio Jordão e acampa-se em Gilgal, onde montou sua base de operações para a conquista de Canaã. Essa conquista aconteceu em três fases: a fase sul, a fase central e a fase norte.

Durante a conquista, o Tabernáculo é montado em Siló, permanecendo lá até o tempo dos Juizes. A conquista somente não foi bem sucedida porque Israel não destruiu os povos vizinhos conforme determinação de Deus. Era preciso realizar essa destruição para que o povo de Israel se mantivesse livre da influência pecaminosa daquelas nações.

Enquanto Israel obedeceu a Deus, venceu aos inimigos. Mas quando deixou de obedecê-lo, ficou enfraquecido e sofreu derrotas. O livro de Josué vai até a sua morte, cobrindo um período de 23 anos. Destacam-se como profetas dessa época um anônimo (Jz 6.8-10) e Débora (Jz 4.4).

e) Os Juízes: esse período vai da morte de Josué ao fim do ministério de Samuel. Na mesma época foram escritos os livros de Rute e 1 Samuel 1 a 9. O governo de Israel era realizado diretamente por Deus (teocrático), por meio de juízes que eram escolhidos para resolver as questões junto ao povo. Foi uma época de grande apostasia, anarquia e guerra civil, onde o povo entregou-se ao pecado. Cada um fazia o que parecia reto aos seus olhos (Jz 21.25). O maior líder da época foi Samuel, o último dos juízes. Samuel também atuou como sacerdote e profeta. Também atuaram como profeta naquela época dois anônimos (Jz 6.8-10 e 1 Samuel 2.27-36) e Débora (Jz 4.4).

f) Monarquia: esse período abrange os reinados de Saul, Davi e Salomão. Foram escritos nesse período os livros de 1 Sm 9 a 1 Rs 12, 1 Cr 10 a 2 Cr 10. Foi um período áureo e esplendoroso para Israel. Saul fixou a capital em Gibeá. Davi conquistou Jerusalém das mãos dos jebuseus e tornou-a sua capital. Deus faz a aliança com Davi, prometendo-lhe nunca faltar herdeiros para o trono. Isso se cumpriu com Jesus Cristo, descendente de Davi.

O templo foi construído no reinado de Salomão. Foi uma obra imponente e magnificente, seguindo uma planta revelada pelo próprio Deus a Davi. A construção durou sete anos, e foi feita por 30 mil israelitas e 150 mil cananeus. Durante essa época houve diversos profetas não-literários (sua obra não foi escrita): um grupo, incluindo Saul (1 Sm 10.10); Gade; Natã; Aías. g) O Reino Dividido: Esse período vai da divisão dos reinos à época do cativeiro. Salomão iniciou bem o seu governo, sendo temente a Deus e piedoso. Mas na velhice, afastou-se de Deus, entregando-se à idolatria e tendo inúmeras mulheres, a maior parte vinda dos povos pagãos. Por causa disso, Deus fez a divisão dos reinos. A divisão foi predita pelo profeta Aías e aconteceu no governo de Robão, um dos filhos de Salomão.

Com a divisão, a parte do Norte chamou-se Israel. Teve 10 tribos. O primeiro rei foi Jeroboão I. A religião oficial foi o culto ao bezerro, religião que Jeroboão importou do Egito. Afundou-se no Baalismo, um culto indecente e desumano a Baal e Astarote. Os profetas Elias e Eliseu juntamente com o rei Jeú comandaram a luta contra esse tipo de culto.

O reino de Israel (Norte) durou 250 anos, teve 19 reis sendo o último Oséias. Todos adoraram o bezerro. O pior deles foi Acabe, e o menos pior foi Jorão, que quebrou a estátua de Baal mas continuou adorando o bezerro. Nenhum dos 19 reis procuraram levar o povo ao encontro com Deus.

Foi então que os reis Tiglate-Pileses III e Sargão II, da Assíria, invadiram o reino do norte levando o povo de Israel cativo 722 a.C.. Sargão enviou seus súditos para povoar Samaria, capital do reino do norte, originando assim os samaritanos, gerando uma religião mista que se prolonga até os tempos de Cristo. Além de destruir o reino do Norte, a Assíria invadiu Judá, capturando todo o Judá, menos Jerusalém, devido a uma intervenção de Deus. O anjo do Senhor feriu 185 mil assírios em uma só vez. Posteriormente, a Assíria foi vencida por Babilônia.

A partir dessa época, a cronologia bíblica se torna mais precisa. As olimpíadas gregas iniciadas em 776 a. C. e realizadas a cada quatro anos, são uma boa referência para o cálculo das datas. Além disso, o Império Romano deixou registros com datas bem precisas que servem de guia cronológico.

O reino do Norte teve os seguintes profetas: (I) Não-literários - os dois anônimos já mencionados; Elias; um outro anônimo (1 Rs 20.13); Micaías; Eliseu e Obede; (II) Literários - Jonas; Oséias; Amós (profeta de Judá, mas com mensagem para Israel) e Miquéias (idem).

O reino do Sul, Judá, teve duas tribos: Judá e Benjamim. Algumas famílias de outras tribos também se uniram a Judá. A tribo de Simeão ficava ao sul de Judá, sem comunicação com o Norte. A capital continuou sendo Jerusalém. Depois do cativeiro do reino do Norte, Judá permaneceu cerca de 100 anos livre. Judá teve 20 reis. Os três melhores reis foram Ezequias, Josias e Joás. O pior de todos os reis foi Atália.

h) O Cativeiro Babilônico: Nabucodonosor invadiu Judá e levou preso o rei Jeoaquim. Levou também cativos os membros da família real, inclusive Daniel. A contagem dos 70 anos de exílio começou em 606 a. C., quando três anos depois, Jeoaquim se rebela contra Nabucodonosor.

Depois disso, Nabucodonosor volta, saqueia o templo e leva Joaquim (filho de Jeoaquim), além de 10.000 outros judeus, entre príncipes e oficiais - a aristocracia judaica. Põe Zedequias, irmão de Jeoaquim como rei em lugar deste. Levou também cativo o Profeta Ezequiel.

Finalmente, em 587 a. C., Jerusalém é sitiada por Nabucodonosor. Depois de um ano e meio de cerco, acaba a resistência de Jerusalém. Acabam-se os alimentos e a cidade é tomada. O povo estava com fome. O rei Zedequias foi capturado quando tentava fugir, sendo levado até Nabucodonosor, onde teve os olhos vasados, sendo depois levado para a Babilônia. Alguns remanescentes pobres foram poupados, mas acabaram fugindo para o Egito.

Os profetas desse tempo foram: (I) Não literários - Semaías; Ido; Azarias; Eliézer; um anônimo (2 Cr 25.15); Hulda; Urias; Hanani; Jaaziel; (II) Literários - Daniel (na corte de Nabucodonosor); Ezequiel (no campo, entre os cativos. Era sacerdote); Jeremias (ficou entre os remanescentes).

O cativeiro curou Israel da idolatria até hoje. Desde então, os judeus não podem ser acusados de idolatria. Devido o cativeiro, as Escrituras passaram a ser estudadas e surgiram as sinagogas.

i) A Restauração de Israel: depois de 70 anos, previstos antes por Isaías, um governador persa, Ciro, proclamou o retorno dos judeus e restaurou Israel. O templo foi reconstruído, menor e menos rico que o anterior.

Ester, uma judia formosa, tornou-se rainha da Pérsia 58 anos após o retorno de Israel. O livro de Ester situa-se entre os capítulos 7 e 8 de Esdras.

O período da restauração teve os seguintes líderes: Josué e Esdras (religiosos); Zorobabel e Neemias (civis, atuando como governadores). Ageu e Zacarias, no início da reconstrução do templo. Malaquias, no final da reconstrução. Atuaram em relação ao cativeiro os seguintes profetas: Joel, Amós, Isaías e Miquéias, Sofonias, Naum, Habacuque, Obadias e Jeremias.

2.2.3 O Período Interbíblico

Esse período vai de Malaquias ao advento de Cristo. Durou cerca de 400 anos. Durante esse período, Israel ficou dominado pela Pérsia. Os persas foram brandosos e tolerantes, pelo que Israel gozou de certa liberdade. Durante esse período nenhum profeta se levantou.

Apesar do silêncio bíblico sobre esse período, a história registra diversos acontecimentos que foram decisivos para a configuração do mundo bíblico por ocasião do nascimento de Cristo. Após o domínio persa, Alexandre, monarca grego levou a língua daquele país ao mundo da época, preparando caminho para o surgimento da Bíblia em grego (Septuaginta). O fato do mundo todo falar grego na época favoreceu a expansão do Evangelho. Veja aí o plano de Deus.

Logo antes da vinda de Cristo, por volta do ano 63 a.C, a Palestina passa ao domínio de Roma. Na época do nascimento de Jesus, governava a Galiléia Herodes, O Grande. Herodes praticou todos os atos que julgou necessários para chegar ao trono, matando inclusive todos os membros do Sinédrio, alguns nobres e pessoas da própria família.

2.2.4 A Época do Cristianismo

Tem início com o nascimento de Jesus, indo até o arrebatamento da Igreja. a) O Nascimento de Jesus: Jesus nasceu no ano 5 a.C. A contagem dos anos deveria se iniciar com o seu nascimento, mas devido a um erro de cronologia, ocorreu esse lapso histórico. Quando Jesus nasceu, reinava na Judéia Herodes. Ao receber a visita dos magos do Oriente, que perguntaram Onde é nascido o rei dos Judeus?, Herodes, que já vivia preocupado com a possibilidade de uma conspiração contra seu trono, fingiu desejar adorar o Cristo, com a intenção de matar o menino. Por obra divina, Jesus livrou-se de todas as perseguições, prosseguindo em sua missão.

Mesmo com seus pontos negativos, Herodes (sem saber) contribuiu para a implantação do reino messiânico banindo o banditismo da Galiléia, condenando sumariamente os malfeitores, mesmo sem a aprovação do Sinédrio.

b) A destruição de Jerusalém: por volta do ano 70 d.C. aconteceu uma revolta dos judeus contra os romanos, resultando em guerra. O César da época era Nero, que escolheu seu melhor general para sufocar a revolta. A sede de governo a qual pertencia Israel estava na Síria, de onde veio Céstio Galo com 40 mil soldados para atacar Jerusalém. Os judeus resistiram, e Galo teve que retirar-se perdendo seis mil homens.

Quatro anos depois, no dia de Páscoa, Tiago surge com seu exército de 50 mil homens. Depois de cinco meses de cerco, os muros foram derrubados, o templo incendiado e a cidade assolada. Morreram cerca de um milhão de pessoas, além de 95 mil que foram levadas cativas. Foi a queda do Judaísmo.

Em 132-135 aconteceu outra revolta dos judeus, liderados por Bar-Cochba. Os judeus se apoderaram de Jerusalém e tentaram reconstruir o templo. A revolta foi sufocada pelo exército romano, que destruiu o Estado Judaico definitivamente. Os judeus foram expulsos da Palestina e impedidos de voltar, sob pena de morte. No lugar do templo, foi erguido um templo a Júpiter.

De 135 a 1948, os judeus não tiveram pátria. Andaram errantes por toda parte da Terra. Todos podiam mandar na Palestina, menos os judeus. Em 14 de maio de 1948 renasceu o Estado de Israel, segundo as promessas das Escrituras e pela iminência da volta de Jesus. Três civilizações achavam-se na palestina nos tempos do Novo Testamento: a) a Grega, representando a cultura e o saber; b) a Romana, representando a lei e o poder. c) a Judaica, representando a religião e a justiça.

c) A história da igreja propriamente dita começa com o nascimento do Senhor Jesus no ano 5 a.C, e estende-se até aos tempos atuais. A época do Cristianismo nos dias do Novo Testamento tem três períodos: (I) O Período da Vida de Cristo (conforme citam os Evangelhos); (II) O Período da Igreja em Jerusalém. (Atos até o capítulo 12); (III) O Período da Igreja missionária (Atos a partir do capítulo 13 e nas epístolas).

Após os dias do Novo Testamento, a época do Cristianismo pode ser estudada dentro dos quatro períodos da história secular: (I) O Período Romano, até queda de Roma, em 476 d.C.; (II) O Período Medieval, da queda de Roma, ao fim do Império Romano do Oriente (476-1453 d.C); (III) O Período Moderno (do fim do Império Romano do Oriente à Revolução Francesa (1453 - 1789 d.C); (IV) O Período Contemporâneo (De 1789 aos nossos dias).

[editar] 2.3 ALIANÇAS E DISPENSAÇÕES

Deus sempre revelou ao homem Seus divinos e eternos propósitos, estabelecendo alianças ou concertos, todos revelados nasaaa Escrituras Sagradas. Ao mesmo tempo, em Sua soberania, Deus mantém o governo de tudo.

2.3.1 - Alianças

Uma aliança é um contrato entre duas partes. É um acordo onde as duas partes pactuadas concordam com as condições e os termos da Aliança. Nesta aliança consta os benefícios e as responsabilidades para ambas as partes, ou seja um concerto. A Bíblia revela que o Senhor Deus fez várias Alianças com o homem, em várias épocas, sob várias circunstâncias e fundamentadas em diversas promessas, para revelar ao homem como manter comunhão com o Seu Criador.

Geralmente, são destacadas oito alianças firmadas entre Deus e o homem, sendo sete no período do Antigo Testamento e uma do Novo Testamento: 1. A Edêmica (Gn 2.16); 2. A Adâmica (Gn 3.15); 3. A Noética (Gn 8.20-22; 9.16); 4. A Abraâmica (Gn 12.1,2); 5. A Mosaica (Êx 19.3-5); 6. A Palestiniana (Dt 30); 7. A Davídica (2 Sm 7.5-17); 8. A nova Aliança (Jr 31.31-34; Mt 26.28; 1 Tm 2.5).

2.3.2 Dispensações

Dispensação vem do Grego OIKO= CASA e NOMOS=LEI, GOVERNO. Uma dispensação é o governo duma casa. Uma dispensação é uma administração, um programa de governo. Deus preparou, pelo menos, 07 programas de governo ao longo da existência da humanidade, cada qual com peculiaridades específicas, onde cabe ao homem uma responsabilidade e, conseqüentemente, um julgamento de todos os seus atos.

As dispensações são: 1. Inocência; 2. Consciência; 3. Governo Humano; 4. Promessa; 5. Lei; 6. Graça; 7. Milênio.

A inter-relação entre as alianças e as dispensações revelam o grande trato de Deus para com a humanidade:

1ª Aliança: Edêmica O homem viveria em ambiente perfeito, tendo direta comunhão com o próprio Deus, sujeito a uma lei simples de amor, temor e amizade, enquanto não desobedecesse.

1ª Dispensação: INOCÊNCIA

• Significado: Antes de pecarem, Adão e Eva viviam no estado da inocência ou da liberdade. Não distinguiam ainda o bem do mal, pois só conheciam o bem.

• Responsabilidade do homem: Manter uma relação direta com Deus, lavrar e guardar o jardim (Gn 2.15). Não comer do fruto da árvore do conhecimento (Gn 3.6).

• Juízo: Expulsão do Jardim do Éden. Pecado, dor e morte entram (Gn 3.16-19, 23, 24).

2ª Aliança: Adâmica. A aliança Adâmica exige sacrifícios de purificação do homem para se chegar a Deus.

2ª Dispensação: CONSCIÊNCIA

• Significado: Com a entrada do pecado o homem passou a conhecer também o mal. Entrou na posse da consciência. Passa a ser guiado pela natureza pecaminosa

• Responsabilidade do homem: Tomar decisões (ser governado) pela consciência. Inicia o sacrifício de animais (Gn 3.2; 4.1-4; Hb 11.4).

• Juízo: O início desta dispensação começa com o relato do homicídio de Abel. Encerra com a terra cheia de violência (Gn 6.11). Deus destruiu a Terra com o dilúvio (Gn 6.17).

3ª Aliança: Noética. Caracteriza-se pela confirmação da relação do homem com a terra. Estabelecimento do governo humano. Garantia de que a terra não sofreria outro dilúvio (arco-íris). Uma família e uma nação são separados por Deus. Governo do homem pelo homem procurando obedecer a DEUS.

3ª Dispensação: GOVERNO HUMANO ou CIVIL.

• Significado: Por causa da violência e do derramamento de sangue que houve Deus instituiu com Noé a dispensação do governo humano (Gn 9.6) com o surgimento das nações.

• Responsabilidade do homem: Viver em sociedade. Adorar somente a Deus. Aqui também surge a base do código da justiça penal.

• Juízo: A dispensação termina com a humanidade intoxicada com a sua importância (Gn 11.4). O resultado foi o juízo (vers. 8,9).

4ª Aliança: Abraâmica. Consistiu em fazer de Abraão uma grande nação, em um sentido natural e espiritual.

4ª Dispensação: PROMESSA ou PATRIARCAL (Patri = progenitor).

• Significado: Deus chama Abraão e faz-lhe uma promessa (Gn 12.1-3). Como as nações falham, Deus forma uma nação à parte.

• Responsabilidade do homem: Deus fez a Abraão promessas incondicionais, a serem cumpridas gloriosamente, mas não devido a alguma virtude de Abraão ou da sua semente, pois ele não apropriou-se logo da promessa de Deus (Gn 12.1).

• Juízo: A dispensação da promessa começa com a narrativa de Gn 11.31,32 e termina com Israel a fracassar a entrada na terra da promessa. Abraão desce ao Egito e Israel fica ali escravizado por 400 anos.

5ª Aliança: Mosaica. Constituída de Mandamentos (Êx 20.1-26), Juízos (Êx 21.1 a 24.11) e Ordenanças (Êx 24.12-31.18).

5ª Dispensação: LEI.

• Significado: Grande código consistindo em centenas de mandamentos que abrangem todas as situações da vida do povo de Israel. A Lei foi dada para mostrar o pecado. O Senhor Jesus resumiu toda a lei em 2 mandamentos (Lc 10.27).

• Responsabilidade do homem: Cumprir toda a lei (Tg 2.10).

• Juízo: Os judeus foram julgados com a tomada de Jerusalém pelos romanos. Encerra também o período do Antigo Testamento.

Durante a Dispensação da Lei, a Bíblia apresenta mais duas Alianças:

6ª Aliança: Palestiniana. Firmada com os israelitas depois da peregrinação de Israel pelo deserto por quarenta anos. Foi um preparação para que entrassem na terra prometida e renovava a aliança Mosaica. Bênçãos e maldições são proclamadas (Dt 28; Js 24.24,25)

7ª Aliança: Davídica. Realizada para o reino de Israel, com a promessa de que sempre haverá um descendente do rei Davi no trono (2 Sm 7.11-16; Sl 89.34). Esta promessa terá seu grande cumprimento na 7ª Dispensação, no período do milênio, quando o Rei Jesus governará Israel. 8ª Aliança: a Nova Aliança

6ª Dispensação: GRAÇA.

• Significado: É a presente dispensação. A dispensação do Novo Testamento com a salvação oferecida pela fé em JESUS CRISTO e não pelas obras (Ef 2.8).

• Responsabilidade do homem: Estar em Cristo Jesus (Rm 5.1-2).

• Juízo: Terminará com os homens não aceitando o amor da verdade para se salvarem (2 Ts 2.10). O juízo de Deus será implacável através da Grande Tribulação.

7ª Dispensação: MILÊNIO ou do REINO.

• Significado: Jesus Cristo descerá pessoalmente à Terra, cumprindo a promessa feita a Davi (Mt 19.28). Neste tempo Satanás será preso por mil anos (Ap 20.2).

• Responsabilidade do homem: Os crentes reinarão com CRISTO nessa época (Ap 20.4).Os homens são responsáveis pela obediência ao Rei e às Suas leis. Satanás está preso. Cristo reinará, a justiça prevalecerá.

• Juízo: A primeira ressurreição acabará no final da grande tribulação e início do milênio (Ap 20.5). Satanás será solto e vencido no final do milênio (Ap 20.7; 20.10-15)

 3 - O CÂNON DA BÍBLIA

Cânon ou Escrituras Canônicas é a coleção completa dos livros divinamente inspirados, constituindo a Bíblia. Cânon é uma palavra grega que significa vara reta de medir, assim como uma régua de carpinteiro. A palavra aparece no original em Ez 40.5. No sentido religioso, cânon significa norma, regra. Com esse sentido, aparece no original em vários textos do Novo Testamento (Gl 6.16; 2 Co 10.13, 15; Fp 3.16). A Bíblia é a nossa norma ou regra de fé e prática. O termo cânon foi empregado pela primeira vez por Orígenes (185- 254 d. C.). Antes de Orígenes, as verdades reconhecidas pela Igreja eram chamadas canôn. Diz-se dos livros bíblicos canônicos para diferenciá-los dos apócrifos. Por volta do ano 90 d. C., em Jâmnia, perto da atual Jafa, na Palestina, os rabinos num concílio sob a presidência de Joanan Bem Zakai,que tinha como finalidade a reestruração do judaísmo após a destruição do templo de Jerusalém (70 d.C.), reconheceram e fixaram o cânon do Antigo Testamento. Houve muitos debates acerca da aprovação de certos livros. Note-se porém que o trabalho desse concílio foi apenas ratificar aquilo que já era aceito por todos os judeus através dos séculos. Jâmnia, após a destruição de Jerusalém no ano 70 d.C. tornou-se sede do Sinédrio - o supremo tribunal dos judeus. O reconhecimento e fixação do cânon do Novo Testamento ocorreu no III Concílio de Catargo, no ano 397 d.C. Nessa ocasião os 27 livros que compõem o Novo Testamento foram reconhecidos e aceitos como canônicos. No entanto, durante esses 400 anos de história da Igreja, os livros e cartas eram lidos pelos crentes primitivos em suas reuniões, como referência de fé e doutrina.

3.1 - A BÍBLIA COMO A PALAVRA DE DEUS

A Bíblia é diferente dos demais livros devido a sua inspiração divina (2 Tm 3.16; 2 Pe 1.12; Jó 32.8). Devido a esse fato, ela é chamada de A Palavra de Deus (2 Tm 3.16, no original).

Entende-se inspiração divina como a influência sobrenatural do Espírito Santo sobre os escritores da Bíblia, capacitando-os a receber e transmitir a mensagem divina sem qualquer margem de erro. A expressão assim diz o Senhor ocorre 2.600 vezes na Bíblia, além de outras expressões equivalentes (Ez 11.5; 2 Cr 29.14; 24-20). q ue a bíblia é a palavra de Deus não resta nenhuma dúvida para nós cristãos.Quem tem o Espirito de Deus deposita toda a confiança nela. Mas,mesmo assim apresentamos algumas provas de que a Bíblia é a palavra de Deus,não "para" crermos,mas "porque"cremos.Nossa era é marcada pelo ceticismo,materialismo,racionalísmo e outras crenças errôneas que procuram extinguir o conhecimento de Deus. A característica mais importante da bíblia não é sua estrutura e sua forma,mas o fato de ter sido inspirada por Deus.Não se deve interpretar de modo errôneo a declaração da própria bíblia a favor dessa inspiração.Quando falamos de inspiração,não se trata de inspiração poética,mas de autoridade divina.A Bíblia é singular; ela foi literalmente" soprada por Deus".

3.2 - A INSPIRAÇÃO DIVINA DA BÍBLIA

A teoria correta da inspiração bíblica é chamada de Teoria da Inspiração Plenária ou Verbal. Ensina que todas as partes da Bíblia foram igualmente inspiradas por Deus, e que houve cooperação entre os escritores e o Espírito Santo que os capacitava. Eles escreveram a Bíblia com palavras de seu vocabulário, mas sob poderosa influência do Espírito Santo, e o que eles escreveram é a Palavra de Deus.

3.2.1 - Provas da inspiração divina da Bíblia

A prova mais eloqüente da inspiração divina da Bíblia é sua harmonia. Somente a palavra milagre explica esse acontecimento. São 66 livros, escritos por cerca de 40 escritores, cobrindo um período de 16 séculos. A maioria desses homens não se conheceram. Viveram em lugares distantes, falando línguas diferentes. Muitas vezes nada sabiam do que já estava escrito, mas registram a mais pura mensagem vinda diretamente da mente de Deus. Podemos apontar mais algumas provas da inspiração divina da Bíblia:

a) Foi aprovada por Jesus - Ele a leu (Lc 4.16-20); ensinou (Lc 24.27); chamou-a de A Palavra de Deus” (Mc 7.13); cumpriu-a (Lc 24.44). Jesus também afirmou que as Escrituras são a verdade (Jo 17.17).

b) O testemunho do Espírito Santo dentro do crente - Cada pessoa que aceita Jesus passa a ter a mais pura certeza quanto a autoria da Bíblia. Isso é uma coisa automática, realizada pelo Espírito Santo. Ninguém precisa ensinar isso.

c) O cumprimento fiel das profecias - As profecias bíblicas (no sentido preditivo) se cumpriram fielmente. Isso demonstra sua origem divina. O que Deus disse se sucederá (Jr 1.12).

d) A influência da Bíblia nas pessoas e nações - Os princípios contidos na Bíblia influenciaram a humanidade, melhorando o relacionamento entre os homens. As civilizações que não conheceram a Bíblia eram marcadas pela imoralidade, violência e licenciosidade. E esses costumes eram aprovados pelos filósofos da época. Os relatos sobre nações como a Grécia antiga e Roma mostram sociedades totalmente depravadas.

e) A Bíblia nos faz diferentes - O mundo hoje continua sob a influência do pecado, mas os verdadeiros seguidores da Bíblia se destacam com uma personalidade ideal. Os ensinos bíblicos são simples e profundos, servindo de guia a uma vida bem sucedida. f) A Bíblia é sempre nova e inesgotável - Mesmo sendo o livro mais antigo do mundo, a Bíblia permanece com uma mensagem atual e moderna. Em mais de 20 séculos, o homem não pode melhorar a mensagem bíblica. Isso demonstra que a Bíblia é a imutável Palavra de Deus.

g) A Bíblia é familiar a cada povo ou indivíduo, em qualquer lugar - Cada homem recebe a mensagem bíblica como se tivesse sido escrita especialmente para ele. Isso acontece em qualquer lugar do mundo, independentemente da cultura, do nível social, da idade ou da época em que a pessoa lê a Bíblia. Isso acontece porque a Bíblia procede de Deus, o Pai de todos nós.

h) A superioridade da Bíblia - Comparando com outros livros, principalmente os escritos por fundadores de religiões como o Budismo ou por filósofos, vemos que a Bíblia supera os demais livros em todos os pontos. Destacamos que a Bíblia só contém verdades, enquanto os outros livros estão recheados de erros e equívocos.

i) A imparcialidade da Bíblia - A Bíblia revela as virtudes e as falhas dos homens que são personagens de sua narrativa, enaltecendo a honra e a glória de Deus. Se ela fosse inspirada pela mente humana, trataria de esconder as falhas humanas para exaltar somente suas virtudes (Jó 27; Sl 50.21-22; 1 Co 1.19-25).

3.3 - FALSAS TEORIAS SOBRE A INSPIRAÇÃO DA BÍBLIA

Existem algumas teorias falsas sobre a inspiração da Bíblia: a) Teoria da inspiração natural humana - Ensina que a Bíblia foi escrita por homens com talento especial, nivelados a outros gênios da literatura. REFUTAÇÃO: Essa teoria nega a influência sobrenatural, trazendo sérios prejuízos para a fé. Os escritores da Bíblia afirmam que foi Deus quem falou através deles (2 Sm 23.2; At 1.16; Jr 1.9; Ed 1.1; Ez 3.16-17; At 28.25).

b) Teoria da inspiração divina comum - Nivela a inspiração da Bíblia àquela que hoje sentimos quando oramos, pregamos, cantamos, ensinamos. REFUTAÇÃO: Isso é errado porque a inspiração que hoje sentimos não é completa como a que veio aos escritores bíblicos. Além disso, os escritores recebiam essa inspiração de forma momentânea e específica para o cumprimento de uma missão divina. Em diversos momentos vemos a expressão veio sobre mim a palavra do Senhor, indicando uma inspiração momentânea.

c) Teoria da inspiração parcial - Ensina que somente algumas partes da Bíblia são inspiradas. Segundo essa teoria, a Bíblia não é a Palavra de Deus, apenas contém a Palavra de Deus. REFUTAÇÃO: Se isso fosse verdade, como poderíamos saber quais as partes que são inspiradas? II Timóteo diz que “Toda Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino...”. Veja também em Jó 16.12; Mc 7.13; Ap 22.18-19.

d) Teoria do ditado verbal Teoria que defende a opinião de que os escritores bíblicos foram instrumentos passivos nas mãos de Deus redigindo exatamente as palavras de Deus (a exemplo dos Dez Mandamentos), não podendo ser levado em consideração a experiência pessoal acerca do que se escrevia. REFUTAÇÃO: Faz dos escritores uma espécie de máquina que registra as palavras ditadas por Deus sem usar o raciocínio próprio. Lucas, por exemplo, fez extensa pesquisa sobre Jesus antes de escrever o Evangelho (Lc 1.4). e) Teoria da inspiração das idéias - Faz o contrário da anterior, ensinando que Deus inspirou somente as idéias, deixando as palavras a cargo dos escritores. REFUTAÇÃO: Também não é verdadeira porque em inúmeros momentos Deus colocou as palavras certas na mente dos escritores bíblicos (2 Pe 1.21; Hb 1.1; 1 Co 2.13; Ap 22.19).

3.4 - OS LIVROS APÓCRIFOS

Além dos livros canônicos, existem os chamados "livros deuterocanônicos", ou seja, os livros do "segundo cânon", que foi o cânon aprovado pela Igreja Romana no Concílio de Trento (1545-1563), até hoje seguido pelos católicos. Nas Bíblias de edição católico-romana o total de livros é de 73, tendo a mais 7 livros apócrifos, além de quatro acréscimos ou apêndices a livros canônicos, num total de 11 escritos apócrifos. Existem 14 escritos apócrifos, sendo 10 livros e 4 acréscimos.

a) Os sete livros apócrifos constantes na edição católico romana são: Tobias (depois de Esdras); Judite (depois de Tobias); Sabedoria de Salomão (depois de Cantares); Eclesiasiáticos (depois de Sabedoria); Baruque (depois de Jeremias); I e II Macabeus. b) Os quatro acréscimos a livros canônicos são: Ester (10.4 - 16.24); Cântico dos Três Santos Filhos (Daniel 3.24-90); História de Suzana (Daniel 13); Bel e o Dragão (Daniel 14).

c) Os demais apócrifos, ainda aceitos pela Igreja Ortodoxa Grega são: III e IV Esdras e A Oração de Manassés. São assim chamados porque na Bíblia católico-romana os livros de Esdras e Neemias são chamados de I e II Esdras.

A aprovação dos apócrifos pela Igreja Católica, em 18 de abril de 1546, foi uma tentativa de combater a Reforma Protestante, recente na época. Os protestantes combatiam violentamente as novas doutrinas romanistas do Purgatório, Oração pelos Mortos, Salvação mediante Obras, dentre outras. Os romanistas viam nos apócrifos base para tais doutrinas, e apelaram para eles.

[editar] 4 - A BÍBLIA AO LONGO DOS SÉCULOS

A Bíblia tem desafiado seus mais ardorosos opositores, que se baseiam em raciocínios puramente humanos, visando desacreditá-la. Geralmente, não aceitam as descrições sobrenaturais da Bíblia ao ressaltarem que tais descrições contrariam a razão (humana). Contudo, deve ser destacado que ao invés de contradizer a razão humana, as características sobrenaturais da Bíblia estão acima da razão humana. Não foi preocupação do Divino Autor explicar como aconteceram os milagres bíblicos genuínos, ou mesmo porque foram operados de maneira sobrenatural. O que temos para nosso conhecimento as indicações de onde e quando aconteceram os fatos bíblicos, relacionando-se com os conhecimentos tratados no âmbito das disciplinas seculares Geografia e da História, dentre outras. Inclusive, o estudante da Bíblia detém-se ao analisar a exatidão da geografia e da história bíblica, confirmando que a Bíblia, por si só, é um grande milagre da parte de Deus.

4.1 - AS LÍNGUAS ORIGINAIS DA BÍBLIA

Em quase sua totalidade, os livros bíblicos foram escritos em hebraico, aramaico e grego.

a) O Antigo Testamento - O hebraico é o idioma oficial da nação judaica, sendo chamado também de “ língua de Canaã (Is 19.18) e “língua judaica ou judaico (2 Rs 18.26-28; Is 36.13). Como a maior parte das línguas semíticas, o hebraico lê-se da direita para a esquerda. Seu alfabeto é composto por 22 letras, todas consoantes. Podemos encontrá-lo em algumas partes do Velho Testamento, fazendo acróstico de alguns capítulos: Sl 119; Pv 31.10-31 e o livro de Lamentações de Jeremias.

Os trechos do Antigo Testamento escritos em aramaico são: Ed 4.8 a 6.18; 7.12-26; Dn 2.4 a 7.28 e Jr 10.11. O aramaico foi o idioma falado em Arã ou Síria e em grande parte da Arábia Pétrea. Essa língua influiu profundamente sobre o hebraico principalmente durante os cativeiros de Judá na Babilônia (587 a. C.). A influência do aramaico foi tão grande que ao voltar do cativeiro o povo tinha essa língua como vernácula. Por isso, quando Esdras leu as Escrituras em público precisou explicá-las ao povo, que não mais conheciam bem o hebraico. No Novo Testamento o aramaico já era bem conhecido, e foi a língua mais usada por Jesus e seus discípulos. Jesus conhecia também o hebraico, pois leu as Escrituras escritas nessa língua.

b) O Novo Testamento - Foi escrito em grego. Existem dúvidas sobre o livro de Mateus, que alguns eruditos dizem ter sido escrito em aramaico. O grego do Novo Testamento não é a língua erudita, mas uma versão popular, chamada de Koiné. O grego é uma língua muito precisa, e das línguas bíblicas, é a que mais se conhece por estar mais próxima de nós. Nos tempos bíblicos era uma língua de compreensão universal devido à expansão do Império da Grécia, sob o domínio de Alexandre (336 a. C.). Nos dias de Jesus, o grego era falado adequadamente, e a tradução da Septuaginta (versão do hebraico para o grego) era lido constantemente pelos judeus liberais. Por ocasião do ministério terreno de Cristo, a língua sagrada dos judeus era o hebraico; a falada, o aramaico; a língua oficial, o latim; a universal, o grego.

4.2 - A TRADUÇÃO DA BÍBLIA

A Bíblia está hoje traduzida para quase todas as línguas do mundo, ou seja, para todas as línguas mais faladas e alguns dialetos tribais da África e outras regiões remotas do planeta. Trata-se do livro conhecido e mais lido do mundo.

Vale destacar que Tradução é a simples transposição de uma composição literária de uma língua para outra. Por sua vez, Versão é uma tradução da língua original (ou com consulta direta a ela) para outra língua.

As duas versões universalmente conhecidas são:

4.2.1 - A Septuaginta - Versão mais antiga dos originais das Sagradas Escrituras. A comunidade judaica que habitava em Alexandria, no Egito, falava expressamente o idioma grego, com necessidade de uma versão grega dos livros judaicos. O rei Ptolomeu Filadelfo II (285 246 a.C) sugeriu a Demétrio, seu bibliotecário, que os livros fossem traduzidos. O Sumo Sacerdote Eleazar, para satisfazer o rei Ptolomeu, trouxe de Jerusalém 72 tradutores (6 de cada tribo). Depois de uma grande recepção, ficaram isolados na ilha de Faros e executaram o trabalho em 72 dias. A cronologia dessa tradução data do ano 285 a.C. A cópia mais antiga da Septuaginta encontra-se na Biblioteca do Vaticano, datada de 325 A.D.

4.2.2 - A Vulgata

Nome oriundo do latim “vulgus”, quer dizer, “popular”, “do povo”. Jerônimo, de Belém (324 - 420 a.D), sábio e secretário do bispo de Roma, aos 80 anos, traduziu a Bíblia do hebraico para o latim. É a versão oficial da Igreja Romana.

4.3 - VERSÕES EM PORTUGUÊS

Como aconteceu em relação a outros idiomas, a Bíblia não foi inicialmente traduzida por inteiro para o português. Essa tradução aconteceu aos poucos. D. Diniz, rei de Portugal (1279-1375) ordenou a tradução da Vulgata uma parte do livro de Gênesis. O rei D. João I (1389-1433) ordenou a tradução dos Evangelhos. Esse mesmo Rei traduziu os Salmos. Frei Bernardo traduziu o Evangelho de São Mateus no Século XV. Em 1495, a rainha Leonor, esposa de D. João II mandou publicar o Livro “Vida de Cristo”, uma espécie de harmonia dos Evangelhos. Em 1505, a mesma rainha mandou imprimir os Atos e Epístolas Universais.

4.3.1 - A versão de Almeida

João Ferreira de Almeida foi ministro do Evangelho da Igreja Reforma Holandesa, em Batávia, então capital da ilha de Java, na Oceania. (Batávia é agora a cidade de Djakarta, capital da Indonésia). Java era então domínio holandês, conquistada dos portugueses. Almeida traduziu primeiro o Novo Testamento, terminando-o em 1670. Em 1681 seu texto foi impresso em Amsterdã, Holanda, isto é, 100 anos antes da primeira edição católica da Bíblia - a de Figueiredo, em 1781. Almeida traduziu o Antigo Testamento até Ezequiel 48.21, quando faleceu em 1691. Missionários amigos seus completaram a tradução, entre eles Jacob Opden Akker. Almeida fez sua tradução do grego e hebraico, línguas que estudou após abraçar o Evangelho. Utilizou também as versões holandesa (de 1637) e a espanhola (de Valera, 1602). Seu Antigo Testamento foi publicado em 1753, em Amsterdã. A Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira começou a publicar o Texto Almeida em 1809, publicando a Bíblia completa a primeira vez em 1819. O texto Almeida não era muito bom por ele ter deixado Portugal muito cedo e não ter cultura profunda.

O texto de Almeida foi revisado em 1894 e 1925. Em 1951, a Imprensa Bíblica Brasileira (organização batista independente) publicou a Edição Revista Corrigida”, abreviadamente ARC.

Uma comissão de especialistas brasileiros, trabalhando de 1945 a 1955 apresentou ultimamente a “Edição Revista Atualizada de Almeida (ARA). Trata-se de uma obra com melhor linguagem e melhor tradução. O Novo Testamento foi publicado em 1951 e o Antigo Testamento em 1958. A publicação foi feita pela Sociedade Bíblica do Brasil. A comissão foi composta de 30 elementos capacitados, membros de diversas denominações evangélicas. Hoje existe uma comissão permanente de revisão acompanhando os progressos da crítica textual.

4.3.2 - A Versão de Figueiredo

O padre Antônio Pereira de Figueiredo, português, levou 17 anos para fazer a tradução da Bíblia para o português, publicando o Novo Testamento em 1781 e o Antigo Testamento em 1790. É uma tradução da Vulgata.

4.3.3 - A Tradução Brasileira

Começou em 1904, por uma comissão de tradutores. Publicou o Novo Testamento em 1910 e o Antigo Testamento em 1917. Trata-se de uma tradução muito fiel aos originais, mas tornou-se de compreensão difícil porque traduz as palavras do ponto de vista literal e não à base da equivalência dinâmica, como nas outras traduções.

Feita pelo padre brasileiro, de Santa Catarina, consta apenas do Novo Testamento. Foi publicada em 1935.

4.3.5 A Versão de Matos Soares

Também feita por padre brasileiro, a partir da Vulgata. A obra foi concluída em 1932 e publicada em 1946. É a Bíblia popular do católicos brasileiros.

[editar] 4.4 - ALGUMAS OBSERVAÇÕES E CURIOSIDADES SOBRE O TEXTO BÍBLICO

4.4.1 - As palavras em itálico

Algumas traduções usam palavras em itálico (letras inclinadas para a direita) para completar o sentido do texto, como a ARC. Essas palavras não constam do original.

4.4.2 - O uso da margem

Algumas Bíblias trazem nas suas margens determinados trechos da tradução literal do hebraico ou do grego. São notas úteis para elucidar pontos confusos.

4.4.3 - Datas impressas no textos

A impressão de datas no texto bíblico é um terreno movediço, pois as datações vem sendo muito questionada ultimamente. Apesar disso, algumas Bíblias trazem datações de acordo com a “cronologia aceita. Os métodos modernos de arqueologia e datações estão colocando em dúvida grande parte dessa cronologia, principalmente em relação aos primeiros milênios bíblicos.

4.4.4 - O sumário dos capítulos

São separados pelos editores, nada tendo a ver com a inspiração e o texto original. Faz-se exceção às frases introdutórias de alguns salmos, como o 4 a 9, 22, 32, 45, 46, 53, 56 etc. Há casos em que os sumários atrapalham, como a parábola dos Dez Talentos, que não são dez e a Parábola do rico e Lázaro, que não é parábola.

4.4.5 - A divisão do texto bíblico em capítulos e versículos

Não faz parte do texto original. As Bíblias mais antigas não eram originalmente divididas em capítulos e versículos. Essas divisões foram feitas para facilitar o seu estudo. Por volta de 1228, Stephem Langton (professor da Universidade de Paris e, posteriormente, arcebispo de Canterbury), dividiu a Bíblia em capítulos, assim como o Cardeal Hugo de Saint Cher, abade dominicano, também fez em 1250.

Os versículos no Antigo Testamento apareceram publicados pela primeira vez em 1445, pelo Rabi Natham. Robert Stevens, impressor de Paris, acrescentou a divisão em versículo do Novo Testamento em 1551. E em 1555, Stevens publicou a primeira Bíblia (Vulgata) dividida em capítulos e versículos.

Na Bíblia Almeida Revisada e Corrigida o Antigo Testamento tem 929 capítulos e 23.214 versículos. No Novo Testamento há 260 capítulos e 7.959 versículos. Toda a Bíblia tem 1.189 capítulos e 31.173 versículos.

Em alguns casos, a divisão em capítulos e versículos quebra o sentido do texto, como por exemplo: Is 53, que deveria começar em 52.13; Jo 8, que deveria começar em 7.53. Em relação aos versículos, acontece o mesmo, por exemplo, Ef 1.5 deveria começar com as duas últimas palavras de 1.4; 1 Co 2.9,10 deveria ser um só versículo.

[editar] 4.4.6 - A divisão do texto em parágrafos

A divisão do texto em parágrafo ajuda a entender o desenvolvimento das idéias registradas. A versão ARA destaca em negrito o início dos parágrafos.

4.4.7 - Aprendendo a ler e a escrever referências bíblicas

O método mais prático e eficiente para escrever referências bíblicas é o utilizado pela Sociedade Bíblica do Brasil: duas letras, sem ponto, para cada livro da Bíblia. Entre o capítulo e o versículo põe-se apenas um ponto. Exemplos:

a) 1 Jo 2.4 (Primeira João capítulo dois, versículo quatro).

b) Jó 2.4 (Jó capítulo dois, versículo quatro).

c) Jn 3.2 (Jonas capítulo três, versículo dois).

d) Fp 2.5 (Filipenses capítulo dois, versículo cinco).

e) Fm v. 6 (Filemon, versículo seis).

Os livros de Samuel, Reis e Crônicas do Antigo Testamento, são pronunciados como: Primeiro ou Segundo, pois referem-se a livros (1 Sm: Primeiro Samuel). Já no Novo Testamento temos Coríntios, Tessalonicenses, Timóteo, Pedro e João, que são pronunciados como Primeira, ou Segunda ou Terceira, pois refere-se à carta ou epístola (1 Tm: Primeira Timóteo; 3 Jo: Terceira João).

4.4.8 - Diferença entre texto, contexto, referência e inferência

a) Texto: são as palavras contidas numa passagem bíblica.

b) Contexto: são as palavras que ficam antes e depois do texto lido. Pode ser um versículo, um capítulo ou um livro inteiro.

c) Referência: é a conexão direta sobre determinado assunto. Além de indicar o livro, capítulo e versículo, a referência pode levar outras indicações como: “a” indicando a parte inicial do versículo (Rm 11.17a); “b” indicando a parte final do versículo (Rm 11.16b); “ss” indicando os versículos que se seguem até o fim ou não do capítulo (Rm 11.17ss); “qv” significa que veja. Recomendação para ler o texto indicado; “cf” - significa compare, confirme; “i.e” significando isto é; “e.g.” significa por exemplo (vem do latim exempli gratia).

4.4.9 - Algumas particularidades sobre a Bíblia

a) O livro de Ester e Cantares de Salomão não mencionam o nome de Deus, porém a presença divina é inegável nesses livros, especialmente nos episódios milagrosos de Ester.

b) Há na Bíblia 8 mil menções ao nome de Deus entre seus vários nomes, e 177 menções acerca do diabo, sob seus vários nomes.

c) A vinda do Senhor Jesus é referida 1.845 vezes, sendo 1.527 no Antigo Testamento e 318 no Novo Testamento.

d) O “capítulo” menor da Bíblia é o Sl 117, o maior é o Sl 119. Não se pronuncia Salmos capítulo 10, por exemplo. Por se tratar de um salmo, ou hino, a pronúncia deve ser: Salmo um ou primeiro (Sl 1), Salmos dois ou segundo (Sl 2), e assim sucessivamente. Os versículos são ditos versos. Ex: Salmos 119, verso 5.

e) 2 Rs e Is 37 são dois capítulos iguais.

f) O maior versículo da Bíblia é Et 8.9.

g) O maior livro é o de Salmos e o menor é 2 João.

h) No Sl 107 há 4 versículos iguais que são: 8, 15, 21, 31.

i) Os números 3 e 7 predominam em toda a Bíblia.

j) A expressão “ não temas” ocorre 366 vezes, o que dá uma para cada dia do ano.

l) Segundo alguns eruditos, na Bíblia foram encontradas 3.568.483 letras e cerca de 773.693 palavras.

m) O Sl 136 termina todos os versículos com a expressão “para sempre”.

n) O capítulo 3 de Lm tem 66 versículos levando cada 3 deles a mesma letra do alfabeto hebraico, o qual tem 22 letras.

o) A Bíblia foi o primeiro livro impresso no mundo. Isto se deu em 1492, em Manz, na Alemanha, após a invenção do prelo. A Bíblia tem, no Antigo Testamento, 929 capítulos e 23.214 versículos. No Novo Testamento há 260 capítulos e 7.959 versículos. Toda a Bíblia tem 1.189 capítulos e 31.173 versículos.

CONCLUSÃO

O estudo de Bibliologia vai muito mais além do que tratamos neste trabalho. Temos aqui apenas uma síntese do assunto, para que você, aluno, sinta o desejo de estudar melhor este assunto. Se conseguirmos despertar seu interesse pelo estudo desta matéria, teremos atingido nosso objetivo.

Quanto aqueles que já estudaram Teologia, puderam perceber por nossa abordagem sintética que tivemos apenas a intenção de despertar o conhecimento, remetendo-os a uma nova análise sobre a importância da Bibliologia. Um estudo mais profundo contém vários outros temas que não tivemos como abordar, devido a exiguidade de tempo.

Temos prazer em lembrar que o maior livro de Bibliologia é a própria Bíblia Sagrada, que se auto-explica, se auto-interpreta e se auto-justifica. Leia a Bíblia, com amor, dedicação e submissão ao Espírito Santo. E que Deus esteja sempre conosco. Amém.

BIBLIOGRAFIA

  • A Interpretação da Bíblia, Weldon E. Viertel - JUERP

  • Bíblia de Estudos Pentecostais - CPAD

  • Bibliologia - Introdução ao Estudo da Bíblia - EETAD

  • Bibliologia - Um assunto oportuno - Nicodemos de Souza

  • Textos EBD - Dr. Caramuru Afonso Francisco. Roberto José da Silva e José Roberto da Silva. Ev.Luiz *Henrique de Almeida Silva

  • Manancial de Mensagens - Genésio dos Santos

 

Fonte:

http://www.vivos.com.br

http://www.ebah.com.br

http://pt.wikiversity.org